domingo, 12 de julho de 2015

ORGONITE


ORGONITE


O que é a orgonite?

O termo "orgonite" foi primeiro usado por Karl Welz para designar a sua mistura de metal-resina-quartzo em meados da década de 90. A tecnologia de Welz é diferente até da mais simples "orgonite táctica" sendo que Welz usa partículas de metal muito finas e quartzo em pó.

Uns anos mais tarde Don Croft, na altura fabricando zappers "Hulda Clark" e fazendo experiências com Acumuladores de Orgone pelo modelo de Reich, vem a saber da tecnologia de Welz através de um amigo e começa a fazer as suas próprias experiências. Estas experiências culminam em 2001 quando Don e Carol Croft fazem uma simples Granada Santa, a primeira peça de tecnologia orgonite tal como é mais conhecida hoje em dia.


No início Don Croft nem sequer chamou a sua tecnologia "orgonite", mas o termo foi ganhando uso por ser fácil e prático. Hoje em dia quem usa o termo "orgonite" refere-se normalmente à "orgonite táctica" de Don Croft.


A orgonite é uma simples mistura de resina industrial e limalhas de metal.

Um cristal de quartzo é também adicionado pois dá uma força muito maior à orgonite.

A orgonite gera Orgone Positivo ('Positive Orgone' ou 'POR') enquanto absorve e transforma Orgone Mortífero ('Deadly Orgone' ou 'DOR') em Orgone Positivo. Portanto a orgonite funciona como um gerador de orgone, bastante diferente dos Acumuladores de Reich que apenas acumulam o Orgone sem o modificar.


O que é o Orgone?

O Orgone está em todo o lado.

Está na atmosfera, nos rios e no mar, na terra, nas plantas, animais e também nas pessoas.

Um estado saudável de Orgone (Orgone Positivo) pode ser encontrado por exemplo num grupo de pessoas que se divertem, numa floresta, no topo de uma montanha ou nas brincadeiras de um grupo de golfinhos.

O Orgone Positivo é expansivo, feliz, solarengo e inclusivo.
Promove o crescimento e a abundância.

No outro lado está o Orgone Mortífero: rígido, contraído, sem-coração, frio e seco. Muitas das características do Orgone Mortífero têm sido erradamente atribuídas à natureza da Humanidade: a ganância, inveja, egoísmo, etc. - todas estas emoções nascem do Medo.

O Medo é realmente "a raiz do mal". Tem sido usado como ferramenta de repressão ao longo dos milénios pelo sacerdócio e pela aristocracia. Hoje em dia, enquanto essa repressão ainda é tentada por todo o mundo, querem vender-nos a ideia de que a nossa natureza é sermos animais que lutam por comida, território e sexo.

A verdade é que a maior parte das pessoas apenas quer ser feliz e viver as suas vidas duma maneira expansiva, criativa e realizada.

A descoberta do Orgone

O Dr. Wilhelm Reich (1897-1957) teve uma rica trajectória que o levou desde a Psicanálise, passando pela Biologia e pela Física. Ele tinha tentado encontrar uma cura, durante anos, para aquilo que a partir de certa altura considerou ser o maior flagelo da Humanidade: o Cancro. Reich considerava os tumores como o último dos estágios de uma doença que se manifestava na pessoa desde há anos, com sintomas aparentemente não-relacionados com o cancro, como os desequilíbrios psíquicos.

A certa altura começou a fazer experiências com infusões de água e outras substâncias orgânicas tais como relva, areia, carvão etc. que resultaram na desintegração da matéria orgânica em pequenas vesículas, não ainda amebas mas de facto num estado entre a matéria não-viva e os mico-organismos vivos nos quais mais tarde se tornariam. Reich chamou-lhe bions.

Reich descobriu que submeter bions à esterilização e a temperaturas nenhuma outra criatura poderia sobreviver não os matava! Estes bions produziam uma intensa luz azul e congregavam eventualmente em grupos que - inacreditavelmente - mais tarde se transformariam em protozoários como a ameba ou o paramécio.

Reich também descobriu que podia obter enormes quantidades de vesículas bion se primeiro aquecesse a matéria orgânica (por exemplo sangue) ou inorgânica (por exemplo areia do mar) com temperaturas muito altas e depois as imergisse num líquido especializado intermédio. Este procedimento possibilitou a "libertação" de grandes quantidades de bions a partir dessas substâncias, que estavam agora disponíveis para formar novos organismos vivos.

Através da observação persistente Reich apercebeu-se que era a Energia Orgone que dava aquela luminosidade azul e permitia a biogénese dos bions. Ele descobriu que a Energia Orgone permeia não só tudo aquilo que vive, mas que também se encontrava em substâncias não-vivas (como areia, carvão, terra) e está presente em toda a parte na atmosfera, sendo o Sol o maior "produtor" de Energia Orgone.

Reich descobriu que o Cancro não é mais do que a fome prolongada de energia vital na pessoa afectada. Desta maneira os tumores são o estado já muito avançado de uma doença que ele considerava afectar milhões.

A história dos experimentos do Dr. Reich é fascinante e eu recomendo que leiam o seu livro de dois volumes "A Descoberta do Orgone".

O Orgone é provavelmente a mesma energia denominada "prana" na cultura indiana e "chi" na cultura chinesa.

Como a orgonite influencia o Orgone

Com Reich aprendemos que, de um modo geral o metal repele o Orgone enquanto as matérias orgânicas o atraem. Os seu Acumuladores de Orgone, normalmente caixas feitas de camadas alternadas de metal e material orgânico simplesmente atraíam para dentro de si o Orgone, onde o concentravam, sem mecanismo de descarga ou possibilidade de transformar Orgone Mortífero em Orgone Positivo.

A orgonite mudou tudo isso.

Com a orgonite agora temos uma tecnologia que funciona 24 horas por dia sem necessidade de nenhum tipo de "manutenção": não são necessárias limpezas, cargas ou recargas. Esta tecnologia vai trabalhar constantemente para limpar a energia vital do sítio onde está, a toda a hora: vai limpar a sua energia, dos seus amigos e familiares, da sua casa, local de trabalho... e se a colocar perto de uma antena da rede móvel vai transformar essa fonte de Radiações Electromagnéticas e de Cancro numa fonte de energia positiva!

A isso chama-se "fazer gifting": colocar orgonite em (ou perto de) fontes de Orgone Mortífero, reclamando esses espaços para que não sejam nocivos, transformando-os em sítios onde o Orgone é bom.

Fonte:  http://www.orgonite-portugal.com/shop/informacao-orgonite


*************

Os Orgonites tem, entre suas capacidades, de transmutar íons positivos (que não fazem bem à saúde) em íons negativos que são excelentes para o nosso metabolismo.

Vejam alguns dados sobre os íons:

Concentrações de ânions no ar

A Organização Mundial da Saúde recomenda que a concentração de ânions em um ambiente não deve ser menor que 1.000 cc (centímetro cúbico). Porém, em nosso dia-a-dia enfrentamos uma situação muito diferente. Veja abaixo qual é normalmente a concentração de ânions em diversos lugares:

● Área residencial urbana: 50 por cc.
● Área urbana: 100 a 200 por cc.
● Campo: entre 700 a 1.000 por cc.
● Vales e montanhas: acima de 5.000 por cc.

Uma baixa densidade de ânions no ar pode afetar a saúde humana. Quando a quantidade de ânions no ar é muito pequena, o corpo humano pode desenvolver sintomas como fadiga, vertigem, enxaqueca, depressão e dificuldade de respiração, sintomas que seriam rapidamente aliviados se a densidade de ânions no ar aumentasse a 1.200 por cc.

Se essa densidade alcançasse 1.500 por cc promoveria a melhora inclusive do estado de ânimo e as pessoas trabalhariam com uma maior eficácia. Portanto, a densidade de ânions é um fator essencial para a saúde humana e a longevidade.

Os efeitos positivos dos ânions

Os efeitos benéficos dos ânions na saúde chamaram a atenção de autoridades sanitárias de todo o mundo. Dentre eles temos:

● Melhora o metabolismo
● Elimina bactéricas, fungos e partículas suspensas no ar
● Reduz o estresse
● Alivia fadiga
● Elimina o mau cheiro
● Diminui inflamações
● Fortalece o Sistema Imunológico
● Equilibra o balanço hormonal

Os íons negativos são a razão pela qual nos sentimos extremamente bem em contato com a natureza. Eles se formam, por exemplo, próximo a cachoeiras, quando moléculas de água se chocam com rochas e seus elétrons acabam escapando, se unindo a outras partículas próximas. Quando o átomo ou molécula resultante desta fusão tem mais elétrons do que prótons, é criada uma carga negativa, que forma o íon negativo, comprovadamente benéfico para a saúde humana.

No entanto, esse tipo de molécula é cada vez mais rara nos ambientes urbanos, onde há excesso de íons positivos, que são prejudiciais à saúde. Diversos fatores contribuem para o excesso de íons positivos em ambientes fechados, como partículas de poluição no ar, ondas eletromagnéticas geradas por equipamentos eletroeletrônicos e poluição das águas.

Um teste recente realizado na Universidade de Jerusalém com um grupo de pessoas com idade entre 20 e 65 anos evidenciou os efeitos positivos dos íons negativos. O mesmo grupo, quando confinado em um ambiente carregado de íons positivos, tornou-se agressivo e mal humorado. Quando foram expostos a íons negativos, todas as pessoas submetidas ao teste apresentaram um padrão de ondas cerebrais que sugeria aumento da vigilância e do relaxamento.

Hoje há no mercado diversos dispositivos geradores de ânions, desde acessórios a serem usados no computador, até dispositivos para carros e aparelhos para se usar no lar ou escritório. Inclusive lâmpadas compactas, tipo fluorescentes, que além de economizarem energia elétrica ainda beneficiam a saúde e bem estar das pessoas através do efeito positivo dos ânions no ar.

Fonte - https://www.facebook.com/domingos.takeshita

*******************
Eu, Stela, tenho percebido como muitas pessoas tem reclamado de uma série de sintomas tais como tonturas, enjoos, ansiedade, distúrbios de sono, zumbidos nos ouvidos, etc... etc... etc....

Bom...  sabemos que influencias energéticas como solstícios, lua cheia, abertura de portais e a própria energia diamante, que está chegando cada vez com mais intensidade ao planeta, podem causar sintomas, tambem conhecidos como sintomas da ascensão. Mas, influências eletromagnéticas tambem podem causar esses sintomas.

As ondas invisíveis de celulares, wi-fi, televisão, computadores, microondas etc estão cada vez intensas e passam através de nós e de nossas casas sem que tenhamos consciência dos efeitos nocivos que podem causar ao nosso emocional, mental e físico.

Por isso, resolvi colocar este artigo sobre os orgonites para que possam entender melhor os efeitos e, caso sintam vontade, adquirir o seu próprio orgonite. Existem diversos modelos que trazem equilíbrio a ambientes internos, externos, bem como, pingentes que podem ser usados junto ao corpo.

Eu uso um pingente e tenho notado uma melhora significativa em sintomas como tontura, zumbido no ouvido, etc... O uso do pingente é especialmente aconselhado para quem fica muito tempo no computador.

Abaixo, coloco alguns links de lojas online onde podem pesquisar e/ou adquirir orgonites:

http://www.orgonite-brasil.com 












Abaixo, imagens de orgonites de mesa, anéis, pingentes, etc...  feitos por Soniah Mhayhuma 

Contato e pedidos - mhayhuma@yahoo.com.br 

 

















LUZ!
STELA



2 comentários:

  1. MUITO INTERESSANTE SEU COMENTÁRIO, GOSTEI MUITO.
    EU JÁ TRABALHO COM AS ALMOFADAS ORGONICAS, LUVAS, PANTUFAS E MANTAS.
    GOSTO MUITO DE TUDO QUE É ORGON.
    ABRAÇOS.
    CAROL CARVALHO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, que legal seu trabalho!
      Se tiver um site com seus produtos, coloque o link aqui para todos.
      Luz!
      Stela

      Excluir