O CAMINHO DO DESPERTAR


O PERIGOSO CAMINHO EM DIREÇÃO AO DESPERTAR
Por Bernhard Guenther

Nota de Vilma Capuano - ESTE É UM CURSO DE DESPERTAR. MUITOS CONHECIMENTOS. APROVEITEM! E AGRADEÇO A TODOS QUE SE MANIFESTARAM PARA QUE EU O TRADUZISSE. PEÇO QUE PARA QUEM NÃO RESSOE, EM FUNÇÃO DE SUAS CRENÇAS E COM O QUE VAI LER NOS CAPÍTULOS, QUE NÃO POLEMIZE. ESTA PÁGINA TEM UMA ENERGIA DE PAZ E DOAÇÃO DE CONHECIMENTO.

À medida que as energias cósmicas do nosso planeta se tornam crescentemente mais vertidas ressaltando a expressão contrastante das frequências da Luz e as escuras durante este Tempo de Transição, muitos de nós (quer estejamos conscientes ou não desta elevação em vibrações contrastantes) experimentamos rupturas e avanços em um ritmo acelerado.

Estamos sendo empurrados para Despertar - para alinhar com a Força Divina.

Este processo está trazendo tudo o que não é da mesma frequência e que o nosso espírito está atualmente "tomando conhecimento" (fazendo downlaod) para ser transmutado.

Muitas coisas estão emanando e mudando em níveis multidimensionais que estão fora de nossa consciência consciente. As fortes correntes dessas Ondas Galácticas estão nos pressionando para percorrer o fluxo da transformação.

Qualquer resistência e/ou necessidade desesperada de controlar esse processo (com base no medo) pode nos levar a ser sugados para a corrente subterrânea e sermos retidos, até que possamos voltar à Onda novamente, ou seja, aprender nossas lições e manter o trabalho de limpeza necessário para incorporar as frequências mais elevadas.

De uma perspectiva hiperdimensional, as forças ocultas/secretas antidivinas operam ultrapassando, tentando bloquear o maior número possível de seres humanos em uma prisão de frequência, que será aumentada com o surgimento da Agenda da ARTIFICIAL INTELIGÊNCIA TransHumanista, que permite ocorrer o "arrebatamento da alma” ( com sentido de extasiar/iludir/arrepanhar/domar), de modo a neutralizar a" Divina Força do Despertar "e, assim, garantir que eles não percam a sua fonte de" alimento ".

No entanto, este aumento de fricção e sofrimento tem uma função de ensino - como parte da evolução da consciência - e serve como catalisador e oportunidade para a iniciação alquímica interna para as pessoas que têm a capacidade da Alma-Semente para começar verdadeiramente a questionar tudo o que sempre foi acreditado/ dito/ ensinado pela cultura oficial.

Mais importante ainda, pode ativar um engajamento no autotrabalho sincero e práticas de incorporação (crescimento/ integração da alma).

A escolha de "atender o Chamado" está, como sempre, dentro de cada indivíduo, e também depende do potencial da sua alma (e lições pessoais), pois nem todos estão aqui para "Despertar" neste ciclo atual (e não há Julgamento em torno disso), enquanto estamos também no meio de uma divisão de Linhas do Tempo-Realidade.

Este é, afinal, o apocalipse, que significa "REVELAÇÃO", não "destruição" (e "oculto", para o assunto, significa "escondido", nada inerentemente a fazer com "má" intenção).

O SISTEMA DE CONTROLE DA MATRIX HIPERDIMENSIONAL

Qualquer um que esteja familiarizado com meu trabalho sabe que eu escrevo e converso muito sobre o Sistema de Controle de Matrix Hiperdimensional (HMCS), isto é, as forças hostis ocultas não-físicas e seus mecanismos que visam nos manter adormecidos espiritualmente.

Para recapitular este fenômeno em poucas palavras: a humanidade não está no topo da "cadeia alimentar", e a humanidade não está no controle de suas decisões soberanas em uma escala "macro".

A ideia de "livre arbítrio" é, em muitos aspectos, uma ilusão. A maior parte do que você vê no cenário mundial é manipulada e projetada para criar essa frequência de "alimentos" de medo e reatividade fomentados pela escassez ... para manter a humanidade numa prisão de frequência, governada por forças que operam fora da nossa percepção sensorial.

Estas forças funcionam através de nós/outros (incluindo a elite/controladores em um nível 3aD, que eles usam como portais/marionetes para executar a sua AGENDA); e nos distrair projetando as sombras da consciência de SEPARAÇÃO na muralha do estágio mundial (Dividir & Conquistar) e cultura oficial.

"Governo" (ou qualquer crença na autoridade externa) é também uma criação "arcôntica"; a base perfeita para manter as pessoas presas em um interminável laço de conflito entre si, garantindo que permaneçamos desprovidos de poder, de modo a produzir todos os "lixos" que eles precisam para se manter bem alimentados.

***

"Existem seres nos reinos espirituais para os quais a ansiedade e o medo que emanam dos seres humanos oferecem bem-vindos alimentos. Quando os seres humanos não têm ansiedade e medo essas criaturas morrem de fome. As pessoas ainda não suficientemente convencidas dessa afirmação poderiam entender que isso deveria ser comparado significativamente. Mas para aqueles que estão familiarizados com este fenômeno, é uma realidade.

Se o medo e a ansiedade irradiam das pessoas e elas explodem em pânico, então essas criaturas acolhem com prazer a nutrição disso e se tornam cada vez mais poderosas.

Esses seres são hostis à humanidade.

Tudo o que se alimenta de sentimentos negativos, de ansiedade, medo e superstição, desespero ou dúvida, na realidade são forças hostis em mundos suprassensíveis, lançando ataques cruéis contra seres humanos, enquanto são alimentados.

Portanto, é acima de tudo necessário que a pessoa que entra no mundo espiritual comece superando o medo, sentimentos de desamparo, desespero e ansiedade. Mas esses são exatamente os sentimentos que pertencem à cultura contemporânea e ao materialismo; porque distingue as pessoas do mundo espiritual, isso é especialmente adequado para evocar a desesperança e o medo do desconhecido nas pessoas, chamando assim as acima mencionadas forças hostis contra elas.”

~ Rudolf Steiner
[Source (German): Rudolf Steiner – Die Erkenntnis der Seele und des Geistes – Berlin, 1907]

***

Mas este é um "conceito" que é realmente difícil para a maioria das pessoas entender e aceitar o que eles têm a dizer, e é ridicularizado e ridicularizado como "ficção científica", "absurda conspiração" ou "delírio mental / psicológico" porque é tão distante das suas crenças condicionadas e visão da vida (uma perspectiva que é inserida em nossas mentes pela mesma "força").

No entanto, apesar do ceticismo cínico, todas as antigas escolas de mistério, verdadeiros conhecimentos xamânicos e ensinamentos esotéricos (muitos dos quais foram suprimidos e/ou distorcidos ao longo de milhares de anos por razões óbvias) transmitiram esta verdade para "aqueles com Olhos para ver e Ouvidos para ouvir ", usando sua própria linguagem e simbolismo, seja "A Lei Geral" (Cristianismo Esotérico), Arqueiros (Gnósticos), "Senhores do Destino "(Hermetismo), "Predador / Fliers - Todos os tópicos" (Shamanism, Castaneda), "The Evil Magician"(Gurdjieff), Os Shaitans (Sufismo), Os Jinn (mitologia árabe), Wetiko (Espiritualidade nativa americana), Occult Hostile Forces (Sri Aurobindo & The Mother, The Integral Yoga), etc ...

Também se relaciona com o fenômeno OVNI e forças alienígenas que têm seres humanos geneticamente modificados - degradando nossa raça do modelo original - eons atrás.

Isto não é um "conto de fadas" nem "superstição".

Toda a nossa civilização (moderna) é, em grande parte, um produto desta "força" ... nossa sociedade é uma construção "alienígena" que fomos levados a aceitar como decorrente da "natureza humana" - uma condição que a patologia se tornou Normose/Normalizada.

Não espere que este Conhecimento e Verdade sejam trazidos através do TED, da Oprah, da lista de Bestseller de NY, da "ciência" dominante e muito menos de qualquer político ou guru espiritual de celebridades ... e não acredite em mim também ....

Descubra por si mesmo!

Mas eu sugiro que você não ridicularize / julgue - ou tenha uma "opinião" sobre - algo até que tenha sinceramente pesquisado você mesmo ... o que, neste caso, também implica auto-trabalho esotérico sincero, a fim de perceber essas forças diretamente, "ver O invisível "para além das aparências ... e, finalmente, libertar-se de sua influência através do toque em sua própria conexão corporificada com e dentro do Divino e Espírito, ou seja, a ativação do DNA para se reconectar com o seu modelo original antes de nossa modificação genética coletiva.

Estamos adormecidos - em um estado de sonho - e, erroneamente, pensamos que estamos acordados.
Um dos aspectos fundamentais da categoria ontológica da ignorância é a ignorância dessa mesma ignorância; ele não só não sabe, ele não sabe que ele não sabe.

Estamos em uma espécie de prisão, mas não sabemos. Esta BIP (Black Iron Prison, isto é, Matrix Hiperdimensional) é uma vasta forma de vida complexa que se protege induzindo uma alucinação negativa dela. A oclusão é autoperpetuante; isso nos faz inconscientes dela.

É suposto combatê-la pela sabedoria fagócita (como faz o sistema imunológico em nosso corpo), mas a própria capacidade de estase da (BIP/Prisão) (a estase é a retenção da energia vital em alguma parte específica do corpo constituindo por si só uma patologia ) desvirtua--nos em micro-extensões dela mesma; é precisamente por isso que é tão perigosa.

Isto é o temível que ela traz: - prolongando o seu pensar androide mais e mais extensivamente.
Ela exerce um poder terrível e sutil, e mais e mais pessoas caem em seu campo (poder), por meio do qual ela cresce. Esta é uma forma de vida sinistra de fato.

Primeiramente toma o poder sobre nós, reduzindo-nos a escravos, e então faz-nos esquecer nosso Estado anterior, e ser incapaz de ver ou de pensar diretamente (verticalmente), e não saber que nós não podemos ver nem pensar em linha reta e finalmente torna-se Invisível para nós por causa do que nos fez.

Não podemos nem mesmo monitorar nossa própria deformidade, nossa própria deficiência. Ficamos sem psique própria, mata a psique autêntica dessas criaturas presas nela, e as substitui por uma microforma espúria de sua própria psique morta.

A própria doutrina de combater o "mundo hostil e seu poder" foi, em grande parte, calcificada e colocada ao serviço do Império. A BIP (Prisão) transforma cada novo esforço de liberdade em molde de mais tirania.

O Império é apenas um fantasma, persistente porque dormimos.

Enquanto a raiz da maldade está escondida, ela é forte.
Mas quando é reconhecida, é dissolvida.
Quando é revelada, perece ...

É poderoso porque não o reconhecemos. O bombardeamento de pseudorealidades começa a produzir seres humanos inautênticos muito rapidamente. O artefato nos escraviza, mas, por outro lado, está tentando nos ensinar a abandonar sua escravização.

O poder mais elevado da Compaixão é o único poder capaz de resolver o labirinto.

A verdadeira medida de um homem não é sua inteligência ou quão alto ele se eleva neste sistema (establishment) arrepiante.

Não, a verdadeira medida de um homem é esta: quão rapidamente ele pode responder às necessidades dos outros e quanto de si mesmo ele pode dar. Se o paradoxo final do labirinto é que a única maneira que você pode escapar é voluntariamente voltar dentro dele, então talvez nós estejamos aqui voluntariamente; voltamos para dentro.

A Anamnese (conforme Platão, consiste no esforço progressivo pelo qual a consciência individual remonta, da experiência sensível para o mundo das ideias) foi a perda da Amnesia.

"VOCÊ LEMBROU SUAS ORIGENS, E ELAS ERAM MUITO ALÉM DAS ESTRELAS."
- Philip K. Dick

PARTE II

"Devido à falta de um estado de maior consciência, o planeta Terra é um pequeno inferno, onde pela graça divina ou infernal mal, o indivíduo nem percebe nem avalia a sua condição precária ou a nebulosidade de sua consciência.

Como verdadeiros loucos, cada sapiens, como Don Quixote, o nobre castelhano, ataca o seu próprio moinho de vento. Assim, batalha após batalha, a juventude se perde, as ilusões morrem, a pureza murcha e os últimos lampejos de lucidez desaparecem gradualmente.

Se formos deuses perversos ou espoliadores imorais, não poderíamos inventar um método melhor para fazer um grupo de escravos trabalhar pacificamente do que fazê-los crer, por meio da hipnose coletiva, que eles são felizes e importantes. Teríamos então robôs perfeitos que trabalhariam incansavelmente, produzindo o que desejamos.

Além disso, esses robôs produziriam e se manteriam. Pode-se argumentar que sapiens, ao contrário de outras espécies, semeia, produz e trabalha apenas para si e não para outros seres. Isso é verdade para os produtos e materiais que os sapiens usam para sua própria manutenção. Nenhuma espécie não humana rouba o produto material proveniente dos esforços dos sapiens.

Por outro lado, este não é o caso com o fruto sutil produzido pelo sistema nervoso humano na vida cotidiana. Este fruto é rapidamente colhido por certos seres que são muito mais elevados na escala evolutiva do que o ser humano; verdadeiros deuses do espaço, que lucram com os esforços humanos, mas que por sua vez cumprem certas funções cósmicas e ocupam uma posição importante na economia universal.

Esses seres foram mencionados anteriormente: eles são os Arcontes do Destino.

Todos os habitantes da Terra estão sob o domínio de um ou mais desses "deuses", que regulam, moldam e dirigem o destino da humanidade. Mas não é assim para o destino do hermetista, que atinge a sua autonomia vital num determinado momento, libertando-se do mandato dos arcontes.

Os Arcontes do Destino são seres aterrorizantes, não porque sejam maus, mas devido à sua severidade fria e inexorável na manipulação dos sapiens. Se formássemos um símbolo para estes seres, sem dúvida eles seriam retratados com um chicote nas mãos, um cinto de cerdas ou fios de rede com os quais castigariam a humanidade para garantir seu progresso, embora esta evolução possa ser imperceptível durante nosso tempo terrestre. Por exemplo, esses juízes ocultistas provocam impiedosamente uma guerra mundial em que milhões de pessoas morrem.

Os Sapiens, em sua luta extrema pela existência e em suas várias relações com os ambientes naturais e sociais que os rodeiam, inevitavelmente experimentam todo tipo de tribulações, sofrimentos, fraudes/enganos e outras experiências, tanto agradáveis quanto desagradáveis.

Como consequência, seus sistemas emocional e nervoso desenvolvem certos elementos incorporados, extremamente poderosos, que saem do corpo humano sob a forma de vibrações (tudo vibra, a matéria é apenas energia vibratória). Essas vibrações são transmitidas através de antenas incorporadas na unidade biológica que estão sintonizadas com a frequência dos Arcontes, que então colhem esse poder e o usam para propósitos que não podemos divulgar, afirmando novamente que eles realizam uma função cósmica.

É assim que os sapiens são inadvertidamente despojados do produto mais nobre que produziram; o destilado final da experiência humana, o caldo em que se encontra o sangue, a alma e a própria vida do indivíduo. O indivíduo viveu para isso, sofreu, amou, curou, trabalhou, construiu coisas, foi para a guerra, estudou, investigou, apenas para preparar a sopa de ouro de sua vida. Devemos entender que o "computador central" só existe em relação aos Arcontes do Destino como um instrumento para controlar os sapiens.

O objeto da vida (a partir da perspectiva arcôntica), a razão pela qual o sapiens foi criado, através de modificação/engenharia genética, não é para ele desfrutar a vida no jardim do Senhor, mas sim ser um peão em suas vinhas, um trabalhador tão perfeito que pode atuar como cultivador e alimento ao mesmo tempo.

Se o homem pudesse evitar que sua sopa de ouro fosse roubada, com esse produto vital poderia se tornar igual aos deuses, evoluindo rapidamente integrando dentro de si os produtos do laboratório químico de seu corpo físico. Isto é exatamente o que é feito pelo estudante do hermetismo, que é temporariamente libertado pelos Arcontes do Destino.

Este indivíduo, em virtude de sua compreensão e responsabilidade, não tem necessidade de um superintendente com chicote na mão para obrigá-lo a evoluir através do sofrimento, conforme ele assume a responsabilidade por sua evolução em suas próprias mãos, e se ele julgar necessário, submete-se ao mesmo sofrimento temporário para alcançar a felicidade eterna.

Isso contrasta com a pessoa profana ou mundana que escolhe o prazer passageiro à custa do sofrimento eterno.

Chega de revelar segredos escondidos dos sapiens.

Vamos espalhar um manto de silêncio sobre este assunto, a fim de cumprir o mandato da Esfinge esotérica que exige silêncio. Discurso e silêncio são duas espadas, as quais devem ser manipuladas com habilidade sublime, a fim de não interromper a harmonia universal.

Aqueles que têm "olhos para ver" entenderão tudo o que não está escrito na palavra escrita, mas na linguagem enigmática do Iniciado. Para aqueles que não estão nesse estado, é melhor que eles não compreendam nada e continuem a dormir tranquilamente.

Em última análise, os Arcontes não correm o risco de uma colheita ruim vinda de uma possível rebelião dos sapiens.

Os Sapiens são cegos demais para ver onde o perigo realmente se encontra. É triste observar a tremenda limitação dos sapiens, que se encerra no pequeno mundo dos conceitos estereotipados, do conhecimento memorizado, da imitação e dos mecanismos de compensação e defesa. Sua incapacidade mental os impede de perceber o quão pequeno é o cubículo que os aprisiona.

E, assim, com uma mente preparada antecipadamente, ele aceita, condena ou tolera sem se preocupar em analisar inteligentemente as situações com as quais é confrontado."
- John Baines, - O Homem Estelar -The Stellar Man

Se você não estiver familiarizado com este tópico, ou é novo no meu site), aqui estão algumas indicações:

• Timeline-Reality Split, Frequency Vibration and the Hidden Forces of Life
• The Matrix of Control – Beyond its 3D Manifestation
• Hyperdimensional Manipulation and Anchoring a Higher Frequency
• Hyper-Dimensional Interference and the Keys to Discernment – Panel Discussion
• How Much Are You Willing To Know? – by Lisa Renee
• The Hidden Forces of Life – by Sri Aurobindo
• The Positive/Negative Realms of Higher Densities – by Michael Topper

O PROCESSO DE DESPERTAR

Apesar da loucura e do caos aparentemente crescente que envolve o mundo exterior - por causa desse desenvolvimento - eu vejo mais pessoas experimentando um "despertar" em suas vidas.

Ao mesmo tempo, a mesma intensificação de energias faz com que outras pessoas fiquem presas (e inconscientemente alinhadas) com a Agenda da Divisão e Conquista das forças ocultas, como vemos atualmente nas projeções do fantoche da sombra Donald Trump (e assim gerando todos os resultantes "lixos emocionais" para os fantoches hiperdimensionais se alimentarem), que eu escrevi AQUI. \

"No cenário maior, não importa realmente que pessoa é o presidente, que organização está pulverizando chemtrails, organizando os cabalistas, ou financiando projetos dos alienígenas negativos. Eles são um símbolo de um coletivo "fantoche controlado pela mente" desempenhando seu papel como a força invisível manipula o comportamento do seu ego para manter a mesma estrutura 3D alimentando os mesmos vampiros. Eles vão apenas arrancar outra personalidade dominadora do ego das massas para jogar o mesmo programa de manipulação do medo".
- Lisa Renee, em "Quanto você está disposto a saber?"

Algumas pessoas acreditam ter finalmente "despertado" da manipulação do Sistema de Controle de Matriz. No entanto, a palavra "desperto" parece ser uma palavra muito abusada nos dias de hoje.

O que eu noto é que mais pessoas estão se tornando conscientes, na maioria dos casos, dos sintomas da Matrix em um nível de superfície 3D (o que é encorajador de se ver e um bom começo), mas o erro de ter realmente "acordado" no sentido holístico do termo e, portanto, a maioria delas muitas vezes não acompanham ou mantêm-se "avançando", especialmente no que diz respeito ao auto-trabalho interno.

Nossa voz interior - originada do eu real ("falando" para nós por meio de um incorporado senso intuitivo do conhecimento, não através de pensamentos centralizados na cabeça), escondida atrás da máscara social/cultural condicionada /programada da personalidade com a qual nos identificamos - também sussurra-nos a ir mais fundo, se podemos ouvir e atender seus "Sinais".

Esses ecos são dificilmente reconhecíveis no início, mas tornam-se mais audivelmente aparentes à medida que perdemos nossas camadas de condicionamento, programação e trauma/lsofrimento. É a voz do Espírito e do Divino, pedindo-nos que reconheçamos nossa verdadeira natureza, que continuemos seguindo mais fundo dentro de nós mesmos ... para autoperceber, autorrealizar.

"O conhecimento é a incorporação abrangente da imaginação que surge na observação e finalmente amadurece através do reforço da experiência, inculcando assim o conhecimento. Isso, de fato, é a breve história da vida."
- Q.M. Sidd

Deve-se notar que o "Despertar" é um processo que é diferente para cada um de nós à medida que atingimos níveis mais elevados/mais amplos de consciência.

Por exemplo, relativamente falando, você pode estar "desperto" com os aspectos 3D básicos da Matrix, mas se você ficar preso lá (especialmente quando há falta de sincero trabalho interior acontecendo), você ainda estará sujeito a interferências hiperdimensionais e manipulação, especialmente quando você está preso na expressão externa da projeção das sombras.

Estar "desperto" na Matrix e sobre os vários mecanismos de controle e enganos/fraudes - e baseado em um nível puramente intelectual de informação - é uma fase necessária de crescimento, mas apenas o início do estágio de um verdadeiro Despertar ... e nem sequer pode ser chamado de "tomar a pílula vermelha" de uma perspectiva esotérica.

Este estágio de consciência são meros passos de bebê que devem ser tomados antes de cruzar o limiar para a autorrealização, que envolve auto-trabalho esotérico, incorporação e transformação alquímica interna para alcançar um nível mais elevado de ser/consciência ... um que seja baseado em vibração de frequência.

A mente neurológica não pode ir para lá, e é, de fato, um obstáculo para uma consciência mais elevada além dos cinco sentidos. Este não é um processo muito agradável às vezes, especialmente no estágio inicial, pois resulta em completa desilusão e morte da personalidade condicionada, que não gosta de desistir e deixar ir o controle facilmente.

Por essa razão, muitas pessoas em seu processo de buscar a "verdade" terminam evitando o trabalho interno sincero/leal, externalizando constantemente o lado "escuro" (especialmente no que diz respeito à projeção de sombras) da realidade, e assim se perdem no pântano da informação ou presas no sensacionalismo, ativismo mecânico ou encerramento da visão no túnel da Matrix 3D, decorado como é com sombras na parede, que é uma armadilha do fantoche-puxando-corda- em si mesmo, e só trabalha a favor dos arquitetos da Matrix oculta.

Mas "auto-trabalho" - realmente "Conhecer a si mesmo" - é também uma coisa complicada, e autoenganos nesta busca são muito comuns.

Algumas pessoas tendem a superestimar-se em relação ao seu nível de ser/consciência. Elas afirmam "conhecer a si mesmas" quando elas realmente confundem o "eu" com a sua personalidade (com sua programação mais sutil/caraterísticas condicionadas), ou falam sobre "viver sua verdade", que também pode ser uma falsidade que engana/distorce o chamado real do eu e, em vez disso, atua como uma autojustificação, uma negação e um amortecedor.

Eu também vejo pessoas falando sobre a Matrix hiperdimensional, alegando ser "livres" dela, mas não percebem como ainda estão funcionando através delas, especialmente quando elas ficam presas no vitimismo, culpa, martírio ou salvação da programação arquetípica da consciência.

É importante compreender os fundamentos do verdadeiro auto-trabalho profundo, especialmente em razão do muito do que foi corrompido e simplificado através da New Age/pop-espiritualidade e mecanismos de psicologia pop.

O aspecto mais difícil de compreender no auto-trabalho esotérico é detectar e confrontar as mentiras instantâneas que estamos dizendo a nós mesmos, e os amortecedores/máscaras que criamos para evitar o atrito interno que é necessário para inflamar o fogo alquímico de Transformação interior ".

"O conhecimento de si mesmo é um objetivo muito grande, mas muito vago e distante. O homem em seu estado atual está muito longe do autoconhecimento. Portanto, estritamente falando, seu objetivo nem sequer pode ser definido como autoconhecimento. Autoestudo deve ser seu grande objetivo.
É suficiente se um homem compreende que deve estudar a ele mesmo.

Deve ser o objetivo do homem começar a estudar a si mesmo, a conhecer a si mesmo, no caminho certo. O autoestudo é o trabalho ou o caminho que leva ao autoconhecimento. Mas, para se estudar, é preciso primeiro aprender a estudar, por onde começar, quais métodos usar. Um homem deve aprender a estudar a si mesmo, e ele deve estudar os métodos de autoestudo.

O principal método de autoestudo é a auto-observação. Sem uma auto-observação devidamente aplicada, um homem nunca entenderá a conexão e a correlação entre as várias funções de sua máquina, nunca entenderá como e por que em cada ocasião separada tudo nele "acontece"."
Gurdjieff, Em Busca Do Milagroso

Agora, eu não me retiro dessa equação crítica, e nunca diria estar completamente "desperto", muito menos "iluminado". Existem níveis e passos muito diferentes na "espiral"; um passo não pode ser reivindicado como sendo "melhor" ou "pior" do que outro, tudo depende de cada uma das aulas individuais/caminho (que inclui o momento divino com relação ao que estamos sendo apresentados, o que não é deixado ao ego impaciente determinar), e a condição atual de um estado de ser e sinceridade/autohonestidade.

Posso ver em mim mesmo o quão difícil é ficar verdadeiramente consciente a cada dia, como alguns programas dormentes ainda ressurgem, atraindo-me a reagir mecanicamente (sob a ilusão de que era realmente o meu verdadeiro "eu" chamando-me), como minha mente tenta racionalizar/justificar-se às vezes.

Posso ver e sentir como as forças hostis ocultas ainda tentam interferir através da minha própria mente através de injeções de pensamento, seduzindo-me com antigos anseios, ou tentando gerar uma resposta reativa em mim, agitando através de outros (que não estão cientes de tudo o que Isso está ocorrendo).

É certamente não tão grave como no passado - e eu posso ver/sentir mais facilmente - mas "despertar" exige "super esforços" (Gurdjieff) ... não em termos de "fazer", mas no que diz respeito à sinceridade, a lembrança de si mesmo, o sofrimento consciente (não ceder aos programas internalizados), permanecendo aterrados no corpo e no momento presente, permanecendo calmos, flutuando no ponto zero da consciência não reativa, pretendendo e "trabalhando" uma conexão consciente para o espírito interior como um instrumento para o Divino sem qualquer senso de ambição, orgulho ou vaidade, sem a noção egocêntrica (e ilusão) da “minha” personalidade.

Isso implica uma compreensão básica de como se auto-observar e como fazer o "auto-trabalho", conforme a Matrix realmente opera nos níveis invisíveis através de nós - não apenas um entendimento intelectual, mas um encarnado Sabendo ... verdadeiramente "ver " no mundo, em si mesmo ... enxergando o invisível.

Não podemos fazer esse trabalho o tempo todo sozinhos (especialmente no início do processo), pois todos nós temos pontos cegos e precisamos de "despertadores" de outros que também estão envolvidos no mesmo trabalho - pessoas que podem nos fornecer "espelhos ", observações que não decorrem de suas próprias projeções de sombra ... pessoas que também podem nos oferecer apoio e encorajamento.

Portanto, é um trabalho difícil de se envolver, e o potencial de auto-ilusão e superestimar o nível de consciência (ou "estado desperto") é enorme.

PARTE III

O QUE SIGNIFICA ESTAR “DESPERTO"?

Mas o que realmente significa estar verdadeira e totalmente desperto? Bem, estamos entrando em território escorregadio aqui - um lugar onde encontramos as limitações de palavras e linguagem. É algo que a mente não pode compreender através de um processo de pensamento ou descodificação de linguagem, pois é uma experiência interna além do pensamento, emoções e sentimentos; um estado mais elevado de Ser.

Como disse Lao Tzu: "O Tao que pode ser dito não é o Tao eterno" ou a clássica metáfora Zen de confundir o dedo apontando para a lua na Lua: "Para apontar para a lua, um dedo é necessário, mas ai daqueles que consideram o dedo a lua ... "- DT Suzuki

Com essa compreensão das limitações firmemente estabelecidas, podemos, no entanto, fazer alguns "apontamentos de dedo" básicos. Além de simplesmente "despertar" em um nível intelectual - e, assim, ver através do engano e da ilusão da Matriz externamente (e dos vários níveis dentro disso) - o Despertar verdadeiro, mais profundo e real só pode acontecer dentro, além do pensamento.

Ele se relaciona com o que eu escrevi em um ensaio anterior sobre o indivíduo encarnado:

[...] A individualidade neste contexto é a alma individualizada encarnada como um transdutor consciente para energias superiores, sendo o "instrumento" para a Vontade Divina. A individualidade NÃO significa a identificação do ego/personalidade (o falso "eu"), ou o que a cultura matricial/oficial promove como "individualidade", que é na maioria das vezes um "culto da personalidade".

No mesmo contexto, tornar-se um indivíduo emancipado soberano não implica que um seja um ser humano "independente", separado de tudo o mais. Essa ideia ilusória decorre do aspecto masculino centrado na cabeça da consciência, o tirano (interno) que é identificado com a independência (falsa) autoalcançada.

A partir de uma perspectiva espiritual e holística, ser um indivíduo soberano corporificado está baseado em um profundo reconhecimento (em um nível incorporado) da inter-relação da vida, totalmente sintonizado com a Natureza e o Divino/Espírito como uma expressão individualizada (mas não separada) - um aspecto fractal do Holograma Universal. Ela decorre do Aspecto Feminino da Consciência, que está fundamentada no Ser.

Um indivíduo soberanamente emancipado não é influenciado por influências/intrusões externas que a Matrix tenta inserir em sua consciência: qualquer forma de governantes/autoridade (incluindo interferência hiperdimensional), ou programação social/cultural/condicionamento espiritual. Mas ele/ela também não é um isolado, "independente” e ser separado, mas profundamente conectado (e em alinhamento) com a natureza, espírito e Divino como um recipiente/transdutor consciente para a Vontade Divina.

Ou a noção Zen de "não-fazer", significado da palavra, não significa que alguém é apenas passivo (outro equívoco comum). É o ponto zero/parado (consciência não reativa) a partir do qual nossa totalidade pode ser informada pela totalidade do mundo (escutar o mundo através do corpo, ancorado no assoalho pélvico/intestino, centro do aspecto feminino da consciência, e então responder a ele a partir deste espaço fundamentado.

É a partir deste estado de ser que surge a ação espontânea, perfeita - ação que está em alinhamento com a Natureza e A Vontade Divina. É receptivo ao "que É", ao contrário do "tirano" reacionário do Aspecto Masculino da Consciência (nada a ver com o gênero), que é ameaçado pelo momento presente (e, essencialmente, tem medo do Feminino), viciado em "fazer a vontade", e análise centrada na mente, com uma necessidade desesperada de controlar o "mundo exterior", o que só resulta em mais e mais fragmentação, pois o intelecto/a mente nunca pode perceber a totalidade [...].

*********

“A individualização é a capacidade de absorver todas as experiências e organizá-las em torno do centro divino.

O objetivo do ser psíquico [alma /eu superior] é formar um ser individual, individualizado, "personalizado" em torno do centro divino ["desenvolvendo/crescendo" a alma para tornar-se plenamente incorporado no ser]. Normalmente, todas as experiências da vida externa (a menos que se faça yoga, não confundir com a prática física, e se torne consciente, passa sem organizar o ser interior, enquanto o ser psíquico organiza essas experiências em série. Ele quer realizar uma atitude particular em relação ao Divino.

Cada indivíduo é uma manifestação especial no universo, portanto seu verdadeiro caminho deve ser um caminho absolutamente único. Há semelhanças, há similaridades, há categorias, famílias, ideais também, ou seja, uma certa maneira coletiva de aproximar-se do Divino, que cria uma espécie de "igreja", não materializada, mas em um mundo mais sutil - há todas essas coisas -, mas para os pormenores do caminho, os detalhes da ioga (união do indivíduo humano com a existência universal e transcendente), será diferente de acordo com cada indivíduo, - necessariamente, e condicionado fisicamente pela sua estrutura corporal presente, e vital, mental e psiquicamente, é claro, por vidas anteriores.

Para estar individualizado em uma coletividade, é preciso estar absolutamente consciente de si mesmo. E em qual deles? – fusionado com o Eu que está acima de tudo, isto é, o que eu chamo a Verdade de seu ser. E enquanto você não estiver consciente da Verdade de seu ser, você é movido por todos os tipos de coisas, sem notar tudo. O pensamento coletivo, as sugestões coletivas são uma influência formidável que atua constantemente no pensamento individual. E o que é extraordinário é que não se percebe.

Acredita-se que se pensa "assim", mas na verdade é a coletividade que pensa "assim". A massa é sempre inferior ao indivíduo. Pegue indivíduos com qualidades semelhantes, de categorias semelhantes - bem, quando estão sozinhos estes indivíduos são pelo menos dois graus melhor do que pessoas da mesma categoria em uma multidão.

Há uma mistura de obscuridades, uma mistura de inconsciência, e inevitavelmente você desliza para esta inconsciência. Para escapar disso, há apenas um meio: tornar-se mais consciente de si mesmo, cada vez mais consciente e cada vez mais atento.

É assim que, gradualmente, lentamente, com perseverança, em primeiro lugar com muito cuidado e muita atenção, torna-se consciente, aprende a conhecer a si mesmo e depois a tornar-se mestre de si mesmo ". A Mãe, Biblioteca Sri Aurobindo

De uma perspectiva absoluta, o que está sendo descrito é essencialmente a dissolução/transcendência do "eu" que pensamos que somos ... isso dá abertura para experimentar um Reino além da Dualidade, onde não há senso de Separação. Nós compreendemos, por mais fugaz que seja, uma Unidade com tudo o que É, incorporando um instrumento e expressão única do Divino em sintonia com o Fluxo Natural da Vida. É um estado além do pensamento, desejo, ou até mesmo emoção e sentimento - um estado de Ser puro, totalmente sintonizado no momento presente.

"Atrás desta insignificante ação instrumental da vontade humana, há algo vasto e poderoso e eterno que supervisiona a curva da tendência e pressiona ao retorno da vontade. Há uma Verdade total na Natureza maior do que nossa escolha individual. Esse mecanismo aparentemente autogerador da Natureza, oculta uma Vontade divina imanente que a comprime, guia e molda seus propósitos.
Mas você não pode sentir ou conhecer a Vontade enquanto você está fechado em sua estreita célula de personalidade, cego e acorrentado ao seu ponto de vista do ego e seus desejos.

Pois você só pode responder a Ela quando você está sem personalidade, [incorporado] pelo conhecimento expandido para ver todas as coisas em si e em Deus, e o eu e Deus em todas as coisas.
O estado de ignorância em que você acredita que você é o executor de seus atos persiste enquanto for necessário para o seu desenvolvimento; mas assim que você é capaz de passar para uma condição mais elevada, você começa a ver que você é um instrumento de uma consciência; você dá um passo para cima e sobe para um nível mais elevado consciente."
~ Sri Aurobindo, A Yoga Integral

“Este estado de ser plenamente acessado não é, obviamente, o que a maioria de nós experimenta em nosso esforço para o Despertar, muito menos em uma base consistente. No entanto, o que notei em mim e nos outros é que cada vez mais pessoas experimentam visões deste estado aqui e ali, ou lentamente a aproximam com o crescente senso de "estar neste mundo, mas não pertencer a ele", como uma testemunha/observadora ... não de uma perspectiva intelectual de "visão" ou de "pensamento" ... este "testemunho" impessoal também reconhece que você é parte do jogo, enxergando através do véu de todas as aparências e manifestações da "consciência única expressando-se em infinita variedade".

É uma experiência encarnada, além da identificação da autoimagem do "eu". Não está ligada a quaisquer pensamentos. É um estado onde não há vontade plena de fazer, nem qualquer senso de "vontade pessoal", como se de repente transformou e uniu-se a Vontade Divina.

A ambição, os desejos vitais, a vaidade, a necessidade de ser "gostado" ou "desejado", a noção e a pressão para "tornar-se" algo/alguém, qualquer comparação/competição com outros (e julgamentos resultantes) ou até mesmo "antipatia" de todos, se afastando lentamente, como fazem todos os gatilhos e comportamentos reativos.

É o derradeiro abandono do controle egoico, e uma Rendição à vida e ao espírito, percebendo que o controle era uma ilusão o tempo todo.

Há um sentido profundo e incorporado de paz e confiança, de fé e de "ser cuidado" (como confiar no Fluxo da vida), sabendo que qualquer desafio que surgirá serve como uma lição mais profunda para o propósito de um verdadeiro Despertar. É o fim do medo, a morte da identificação do ego e o renascimento do real "EU SOU" - espírito corporificado - expressando-se unicamente através de "você".

É estar em fluxo com o Tao, a Vontade Divina da natureza, conforme Ela está fluindo e se expressando através de você sem resistência e, como Sri Aurobindo mencionou acima, você começa a ver que você é um instrumento de uma consciência.

"Os homens geralmente trabalham e continuam seus negócios a partir dos motivos comuns do ser vital, necessidade, desejo de riqueza ou sucesso ou posição de poder ou fama, ou a atividade e o prazer de manifestar suas capacidades, e eles conseguem ou falham de acordo com sua capacidade, poder de trabalho e a sorte boa ou má que o resultado de sua natureza (condicionada) e seu Karma.

Quando fazemos Yoga (trabalho para o Despertar, a união com o Divino) e desejamos consagrar a vida ao Divino, esses motivos ordinários do ser vital não têm mais o seu pleno e livre jogo; eles têm de ser substituídos por outro, um motivo principalmente psíquico (alma) e espiritual, que permitirá ao sadhak (buscador espiritual) a mesma força de antes, não mais para si mesmo, mas para o Divino.

O único trabalho que espiritualmente purifica é o que é feito sem motivos pessoais, sem desejo de fama ou reconhecimento público ou grandeza mundana, sem insistir em seus motivos mentais ou desejos e demandas vitais ou preferências físicas, sem vaidade ou crua auto-afirmação, ou reivindicação por posição ou prestígio, - feito somente pelo Divino. Todo o trabalho feito num espírito egoísta, no entanto "bom" para as pessoas no mundo da Ignorância, é inútil para o buscador [e manterá a porta fechada para o Divino].

Não me refiro à filantropia ou ao serviço da humanidade ou a todo o resto das coisas - morais ou idealistas - que a mente do homem substitui a verdade mais profunda das obras. Quero dizer com a ação do trabalho feita para o Divino e cada vez mais em união com o Divino, fundindo a vontade de cada um com a Vontade Divina.

Naturalmente, isso não é fácil no início, assim como a profunda meditação e o iluminado conhecimento são fáceis ou frequentes no Amor verdadeiro.

Mas, como os outros, tem que ser iniciado no espírito e atitude corretas, com a vontade correta em você, então o resto virá. Um se liberta dos grilhões da natureza exterior; um se torna consciente de seu ser interior e vê o exterior como um instrumento; um sente a Força universal fazendo as suas obras e o Eu observando ou testemunhando, mas livre; um sente todas as obras captadas e criadas pelo Poder Divino agindo por trás do coração.

Por meio do constante referencial de toda a vontade e obras do Divino, o verdadeiro Amor [incorporado] e a adoração crescem, o ser psíquico [alma individualizada/verdadeiro eu] avança. Finalmente, Trabalho/Obra, Amor e Conhecimento vão juntos e a autoperfeição torna-se possível - o que chamamos de transformação da natureza.

Estes resultados certamente não vêm todos ao mesmo tempo; eles vêm mais ou menos lentamente, mais ou menos completos de acordo com a condição e crescimento do ser. Não há caminho monárquico para a realização divina. Toda essa insistência na ação é absurda se não se tem a Luz pela qual agir.

Os defensores da ação pensam que pelo intelecto humano e energia, criando um ímpeto sempre novo, tudo pode ser corrigido; o estado atual do mundo após um desenvolvimento do intelecto e uma produção estupenda de energia para a qual não há paralelo histórico é uma prova do sinal do vazio da ilusão sob a qual eles trabalham.

É somente por uma mudança de consciência que a verdadeira base da vida pode ser descoberta: de dentro para fora. Mas dentro não significa um quarto de polegada atrás da superfície. É preciso ir fundo e encontrar a alma, o (verdadeiro) Ser [atrás das máscaras da personalidade condicionada], a Realidade Divina dentro de nós e só então a vida pode tornar-se uma verdadeira expressão do que podemos ser em vez de um enevoado e sempre repetido confuso borrão da coisa inadequada e imperfeita que nós éramos.

A escolha é entre ficar na velha desordem e tatear na esperança de tropeçar em alguma descoberta ou voltar e ver a Luz interior até que nós descobrimos e podemos construir a Divindade dentro e fora de nós. " - Sri Aurobindo, A Yoga Integral

É também o estado em que não estamos sujeitos a quaisquer ataques ou interferências das forças hiperdimensionais ocultas, uma vez que nos encontramos ressoando em uma frequência mais alta, além do seu reino vibratório, ou seja, nós realmente transcendemos a Matrix.

A "realidade" que experimentamos subsequentemente é de uma impressão muito mais rica e sutil, não ligada à ilusão do tempo linear, portanto não há nenhuma pressão a fazer, nenhuma pressa, nenhuma impaciência.

Toda a vontade de fazer se dissipa, para ser substituída por uma incorporada respondendo ao que é - e o que a vida traz - que está unicamente ajustada às nossas lições e talentos da alma; ela nos guia de um lugar interior encarnado sem expectativas e apego ao resultado. Definição de objetivos e ambição são substituídos por uma aspiração tranquila com intenções, mas sem expectativas ou necessidade de controle.

Fazer escolhas e tomar decisões não resulta mais de um processo de pensamento ou de qualquer análise centrada na cabeça de "deveria" ou "não deveria", mas emergem de um nível de intuição do conhecimento intuitivo não verbal. A vida se torna como uma dança no Rio da Vida, já que não lutamos mais contra a corrente, estando na "zona", encerrados dentro do ritmo da vida (Tao).

Contrariamente às crenças populares, este estado desperto não é um sentimento constante de "prazer" ou êxtase (embora possa haver experiências de pico como essa), nem é um "sentimento" de amor ou felicidade.

Realmente transcende qualquer coisa que normalmente experimentamos em estados de consciência comuns que estão relacionados a emoções e sentimentos. Em última instância, transcende a dualidade da dor e prazer, felicidade e sofrimento.

Existe um contentamento mais profundo e silencioso, uma calma e um sentimento de paz, não dependendo de circunstâncias externas ... uma sensação de abrandamento e simplificação.
É um lugar de verdadeira liberdade.

Pensamentos ainda podem vir e tentar se anexar, mas torna-se mais fácil destacá-los - para liberar o acreditar neles ou se identificar com eles. Este senso de detecção não é, no entanto, uma forma intelectual de dissociar, mas um reconhecimento incorporado da verdadeira natureza, em contraste com a ilusão do pensamento (e que "pensamos" ser).

Reconhece-se que a mente é apenas uma ferramenta, uma serva, mas não deve ser considerada como o mestre/guia. Não se trata de demonizar o intelecto, pois precisa passar por sua própria transmutação para se tornar um instrumento para o Divino, acessando o conhecimento superior (Gnose).

Podemos ainda usá-la de maneiras práticas para viver nossas rotinas diárias, já que não apenas "verificamos" nossa existência aqui na Terra; pelo contrário, estamos mais envolvidos com a realidade - mais plenamente abraçando a vida - e qualquer que seja a dança que isso possa trazer em plena participação consciente com os ritmos da vida, participaremos ..., sem apego, e vontade plena de fazer.

"Todos nós, em nosso próprio processo de Despertar, visitaremos a limitação da nossa vontade pessoal. A maioria de nós vai visitá-la várias vezes, em níveis mais profundos e mais profundos, até que esteja totalmente extinguida.

A perda da vontade pessoal não é realmente uma perda em tudo. Não é como se nos tornássemos o capacho da humanidade, que parássemos de saber o que fazer ou como fazê-lo. Muito pelo contrário acontece.

Ao renunciar à ilusão da vontade pessoal, nasce em nós um estado de consciência completamente diferente; um renascimento acontece. É quase como se uma ressurreição acontecesse de dentro de nós.

Esta ressurreição é muito difícil de explicar, como muitas coisas na espiritualidade, mas, em essência, começamos a ser movidos pela plenitude e totalidade da própria vida.

A representação deste tipo de movimento é muito vívida na tradição taoísta, que se concentra na expressão do Tao, ou a verdade, através de nós. Se você ler o Tao Te Ching ou olhar para alguns dos ensinamentos taoístas, você começa a ter uma ideia de como a obstinação é substituída por um Senso de Fluxo.

Quando você sai do assento do motorista, você acha que a vida pode conduzir a si mesma, na verdade a vida sempre se dirigiu. Quando você sai do banco do motorista, ela pode conduzir-se muito mais fácil - ela pode fluir de maneira que você nunca imaginou. A vida se torna quase mágica. A ilusão do "eu" já não está no caminho. A vida começa a fluir, e você nunca sabe onde ela vai levá-lo.

Conforme o seu sentido de vontade pessoal diminui, as pessoas muitas vezes dizem: "Eu nem sei mais como tomar uma decisão." Isto é porque elas estão operando cada vez menos de um ponto de vista pessoal. Há uma nova maneira de funcionar, e não é realmente sobre tomar essa ou aquela decisão, a decisão certa ou a decisão errada. É mais como navegar um Fluxo. Você sente onde os eventos estão se movendo, e você sente a coisa certa a fazer. É como um rio que sabe a maneira de contornar uma pedra - para a esquerda ou para a direita.

É um sentido intuitivo e inato de saber.

Este tipo de Fluxo está sempre disponível para nós, mas a maioria de nós está muito perdida nas complexidades do nosso pensamento para sentir que há um fluxo simples e natural para a vida. Mas debaixo do tumulto de pensamento e emoção , e sob o apego da vontade pessoal, há realmente um Fluxo. Há um movimento simples da vida. " ~ Adyashanti, O Fim de Seu Mundo

Falando Pessoalmente, ao longo dos últimos anos, eu tive mais vislumbres nesse estado de estar no "fluxo", e comecei a experimentar cada vez mais a vida e a "realidade" em um nível diferente que é difícil até mesmo colocar em palavras. Estou cada vez mais ancorado no momento presente, despreocupado com o passado ou o futuro. De modo algum pretendo estar totalmente "desperto", muito menos conseguido um estado real de existência "iluminada", mas houve mudanças internas dentro de mim - que refletem minha realidade "exterior" - que são inegáveis (Que também resultaram em um aumento exponencial de sincronicidades positivas).

Há também mais alegria e simples contentamento e gratidão no meu coração, assim como humildade para o mistério da vida; uma confiança e uma fé mais profundas no aqui e agora e no "universo" ... uma sensação de que estou sendo "cuidado" e "apoiado". No entanto, meu processo pessoal de emancipação/desobrigação e incorporação continua, e há sempre mais lições a serem aprendidas.

Eu ainda tenho meus dias quando fico preso na mente, fico desconectado, reativo, faço projeções (e meu ego recebe o melhor de mim), melancólico, desanimado em mim mesmo, ou apanhado em um ciclo de pensamento, mas não é nem perto de o estado de ser que eu estava em alguns anos atrás.
Muitos de nós experimentamos vislumbres ou impressões sutis do que descrevi acima, mas na maioria das vezes elas não ficam conosco e não são permanentes por qualquer meio.

Isso também é normal, então, mesmo quando a "luz" diminui e ficamos presos em nossos ciclos de pensamento e comportamento mecânico mais uma vez, não devemos desesperar. Muito está acontecendo atrás do véu, conforme o Espírito está ocupado fazendo seu trabalho.

O processo de Despertar não é um processo linear.
Muitos fatores entram na jornada, pois é muito diferente para cada um de nós.

De uma perspectiva mais ampla, todos nós estamos onde precisamos estar quando se trata da evolução da alma. A armadilha é comparar-nos com qualquer um, ou começar travado na mentalidade do que "deve" estar acontecendo, ou onde nós "devemos" estar com relação a nosso desenvolvimento interno, ou tornar-se atolado na ideia da nossa mente sobre "sucesso" e "fracasso", que mais frequentemente resulta em ansiedade, depressão, impaciência, frustração ou raiva.

Quando eu me encontro em tal estado, especialmente quando um pensamento de "deve/não deve" vem, eu o uso como um sinal de feedback que estou atualmente desincorporado (não no meu corpo) e desligado do meu Verdadeiro eu /espírito (no sentido absoluto, nós nunca estamos desconectados, é claro); e eu não tento tomar nenhuma decisão desse estado. Em vez de lutar contra ela, agindo por desespero ou forçando-me a sair dela, me entrego a ela - o que significa que eu não evito esses sentimentos, nem ajo em cima deles, mas simplesmente aceito e observo-os.

Normalmente, eu entro em meditação para senti-los plenamente no meu corpo (outras vezes eu vou dançar ou dar um passeio na natureza) e também investigo mais profundamente qualquer pensamento associado a essas emoções, uma vez que geralmente há um ciclo de feedback entre pensamento e emoção - um desencadeando o outro.

Quando me entrego ao que é, uma crença (falsa) subjacente do passado (baseada no condicionamento / ferimento) - a qual o pensamento está associado - geralmente vem à luz ... ou às vezes sinto uma injeção de pensamento arcôntico, trazendo-a para a consciência através da simples percepção interior sem me identificar com ela, o que ajuda a dissolver o pensamento, ou seja, o desapego metafísico.

Às vezes, isso também resulta em processamento emocional (sem julgamento), por "amar o que surge" e apenas sentir nele com aceitação incondicional. O amor-próprio - como na totalidade, aceitar a "escuridão" e a "luz" dentro, sem julgamento - é um ingrediente-chave nesse processo.

PARTE IV

Nota da Tradutora - Este capítulo está fabuloso. Explica também a negatividade das polêmicas na internet...e o "alimento" produzido para as forças contrárias através delas. Aproveitem!

ARMADILHAS NO CAMINHO PARA O DESPERTAR

Vejamos algumas das armadilhas na jornada rumo ao Despertar e também examinemos algumas das emboscadas em que podemos cair na esteira de experimentar um vislumbre de outro profundo estado desperto (se ainda impermanente).

Todas as armadilhas descritas abaixo (isto é apenas uma seleção das principais que observei em mim e em outros) podem acontecer em qualquer fase do processo de Despertar, e muitas podem ocorrer simultaneamente. Pessoalmente falando, eu caí em muitas dessas armadilhas no passado (e aprendi da maneira mais difícil), e algumas delas ainda fluem aqui e ali, se eu não "me deter".

BYPASSING ESPIRITUAL

Bypassing (desvio) espiritual (criado por John Welwood em 1984) é o uso de práticas e crenças espirituais para evitar lidar com nossos sentimentos dolorosos, feridas não resolvidas e necessidades de desenvolvimento.

Nós nos empenhamos no bypassing espiritual quando nós contornamos o trabalho psicológico básico necessário, acreditando-nos ser mais (self) cientes do que nós somos realmente, e assim superestimamos nosso estado de ser. Refere-se a intelectualizar verdades, ideias e conceitos espirituais mais elevados, e assim distorcê-los/diluí-los para evitar enfrentar os nossos pontos cegos e a personalidade condicionada.

O Bypassing espiritual também se revela quando julgamos as emoções negativas como algo "mau", "não espiritual" "- um vírus a ser evitado ... acreditando que "ser espiritual " significa ser sempre agradável, positivo, sorridente e não conflituoso (resultando em uma falta de limites e fuga da realidade).

SINAIS DE DESVIO ESPIRITUAL:

Desprendimento exagerado (intelectual / preso na cabeça)

Entorpecimento emocional e repressão

Excessiva ênfase na Raiva-fobia (muitas vezes resultando em agressividade passiva e uma máscara de "fazer-se de bom"),

Cego ou excessivamente tolerante compassivo / limites fracos

Desenvolvimento desequilibrado (a inteligência cognitiva / intelectual muitas vezes está muito à frente da inteligência emocional & falta de incorporação)

Julgamento débil sobre a negatividade ou o lado da sombra

Desvalorização do pessoal/físico em relação ao espiritual - ilusão de separação

Ilusões de ter chegado a um nível mais elevado

Esforços enérgicos para matar/erradicar o ego, ou julgá-lo como "mau"

Assim como "tudo é perfeito", "é tudo uma ilusão", "somos todos um", "o amor é tudo o que há" como conceitos filosóficos (intelectuais) para evitar lidar com os Não-tão-agradáveis aspectos da vida diária nesta Dualidade da 3D (ignorando responsabilidade e lições da nossa encarnação 3D)

Usando práticas espirituais para escapar de emoções desagradáveis; por exemplo, usando a meditação para se dissociar das emoções, ao invés de transmutá-las.

FUGA ESPIRITUAL

"Quando estamos imersos no desvio espiritual, gostamos da luz, mas não do calor. E quando estamos envolvidos nas formas mais grosseiras de evasão espiritual, em geral preferimos teorizar sobre as fronteiras da consciência do que realmente ir para lá, suprimindo o fogo em vez de respirar ainda mais vigor, abraçando o ideal do amor incondicional, mas não permitindo que o amor apareça em suas dimensões mais desafiadoras e pessoais. Fazer isso seria muito ardente, muito assustador, e demasiado fora de controle, trazendo as coisas para a superfície que há muito tempo temos rejeitado ou suprimido.

ESPÍRITO

Mas se realmente queremos a luz, não podemos nos dar ao luxo de fugir do calor. Como disse Victor Frankl: "O que dá luz deve resistir à queima".

E estar com o calor do fogo não significa apenas sentar-se com as coisas difíceis na meditação, mas também entrar nelas, caminhar até o seu núcleo, encarar e entrar e ficar íntimo com o que está lá, assustador ou traumático, triste ou rude.

O bypassing espiritual está em grande parte preenchido, pelo menos em suas formas de Nova Era, pela ideia de totalidade e unidade inata do Ser - "Unidade" sendo talvez o seu adesivo favorito - mas na verdade gera e reforça a fragmentação separando e rejeitando o que é doloroso, angustiado e não curado; todos os aspectos distantes-de-adular o ser humano.

As armadilhas do desvio espiritual podem parecer boas, especialmente quando elas parecem prometer a liberdade do alvoroço e da fúria da vida, mas esta suposta serenidade e desapego é muitas vezes pouco mais do que o valor metafísico, especialmente para aqueles que fizeram da necessidade de ser uma virtude, e enxergar positivo.

Um sinal comum revelador de desvio espiritual é a falta de fundamentação e experiência no corpo que tende a manter-nos ou espacialmente flutuando na forma como nos relacionamos com o mundo, ou demasiado rigidamente amarrado a um sistema espiritual que aparentemente fornece a solidez que falta.

Podemos também cair no perdão prematuro e na dissociação emocional, e confundir a raiva com a agressão e a má vontade, o que nos deixa sem poder, cheios de limites fracos. A bondade exagerada que muitas vezes caracteriza a passagem espiritual que a amarra na profundidade emocional e na autenticidade; e seu sofrimento subjacente - na maior parte tácito, intocado, não reconhecido - mantém ilhado do cuidado que o desembrulha e o desfaz, como um bebê que está sendo preparado para um banho por um pai amoroso.

A distância espiritual não nos separa apenas de nossa dor e de problemas pessoais difíceis, mas também de nossa própria espiritualidade autêntica, nos deixando em um limbo metafísico, uma zona de gentileza exagerada, mansidão e superficialidade. Sua natureza frequentemente desconectada o mantém à deriva, agarrando-se ao colete salva-vidas de suas credenciais espirituais auto-conferidas. Como tal, nos impede de incorporar nossa plena humanidade.

Desfragmentar através do desvio espiritual significa voltar-se para os elementos de sombra dolorosos, indesejados, assustadores de nós mesmos.

Para fazer isso, precisamos cortar nosso entorpecimento e nossas defesas, aproximando-os com todo o cuidado que pudermos. Se ao fazermos parecer curar nosso coração, estamos no caminho certo. Quando o coração cura, ele se abre e se expande, não se quebra. Quando nós estamos dormentes, e nos tornamos mais confortáveis com nosso próprio conforto, vemos o que nos levou a um desvio espiritual.

Esta é uma jornada desafiadora para dizer o mínimo.

A verdadeira espiritualidade não é um alto, nem apressado, nem um estado alterado. Tem sido bom como ficção por um tempo, mas os nossos tempos exigem algo muito mais real, fundamentado e responsável; algo radicalmente vivo e naturalmente integral; algo que nos sacode até o nosso âmago até que deixemos de tratar o aprofundamento espiritual como algo que nos interessa aqui e ali.

A espiritualidade autêntica não é um pequeno brilho de sabedoria, nem uma explosão psicodélica ou um relaxamento suave em algum plano exaltado da consciência, não uma bolha de imunidade, mas um vasto incêndio de libertação, um requintado encaixe e santuário exatamente ajustados, contanto que aqueça e ilumine ambos para a cura e Despertar que precisamos." - Robert Augustus Masters, em "Desvio espiritual"

O Bypassing/Desvio Espiritual também se encaixa no Materialismo Espiritual, inventado por Chogyam Trungpa Rinpoche e definido como "uma versão distorcida e egocêntrica da espiritualidade", onde "nos enganamos pensando que estamos desenvolvendo espiritualmente quando estamos fortalecendo nosso egocentrismo através de técnicas espirituais".

Relaciona-se com a obtenção de "viciados" aos ensinamentos e práticas espirituais, com as pessoas continuamente procurando a próxima oficina, o próximo ensinamento, o mais novo guru na cidade, passando de um seminário para o outro, viajando pelo mundo inteiro para encontrar a "verdade" , indo de curador a curador, "mestre" para "mestre", na esperança de alguém curá-los ou trazendo-lhes "iluminação".

O Materialismo Espiritual também se mostra construindo uma biblioteca de técnicas espirituais que seu ego gosta de "mostrar" para provar sua dignidade - revelar o quanto de uma pessoa "propriamente espiritual" é, e quanto eles leram, "conhecem" e praticam.

ARMADILHA DA SUPERIORIDADE

A sensação de sentir-se melhor do que outros que ainda estão ligados à Matrix, ou que não tiveram qualquer experiência profunda de despertar; a atração de olhar para baixo sobre eles é a armadilha mais comum em que muitas pessoas caem. Este é especialmente o caso quando a busca da verdade não é combinada com o trabalho interno.

* Na manifestação mais extrema de superioridade, atacamos os outros, chamando-os de nomes e atacando-os pessoalmente por serem "cegos" e não conscientes (na maioria das vezes conduzidos pela internet /mídia social, escondidos atrás de uma tela).

A ilusão de superioridade é, de fato, um sintoma de ainda estar conectado à Matrix, já que a Matrix alimenta-se da consciência de separação do ego no Serviço ao Eu (STS) (com sua manifestação de "competição" nas vidas pessoais e/ou profissionais das pessoas).

Vemos essa atitude se manifestar mais frequentemente em "buscadores da verdade" que apenas "acordaram" para os fundamentos da Matrix 3D (a ilusão política, a corrupção do governo e os sintomas relacionados: o cartel bancário, a falsa guerra ao terror, meios de comunicação, ataques à bandeira falsa, etc.) e atacar as pessoas que ainda estão dormindo e hipnotizadas. Em certo sentido, esta é uma fase normal também.

* Como diz o ditado: "A verdade vos libertará, mas primeiro vai irritá-los" (ironicamente, isso foi cunhado pela ativa oposição controlada pela CIA, Gloria Steinham). Assim, a raiva não deve ser julgada como "má" (desvio espiritual), mas precisamos permanecer atentos para evitar projetá-la externamente.

Esta sujeição à armadilha também se vincula à projeção de sombras.

Quando ficamos emocionalmente irritados e projetamos essa energia reativa nos outros - vindo do senso de superioridade - nós realmente alimentamos as forças ocultas nos reinos hiperdimensionais.
Ela decorre da "mente predadora" pela qual essas forças funcionam através de nós, desencadeando comportamentos mecânicos/reativos para produzir a frequência "lixo" que se alimentam.

Existem diferentes graus de complexos de superioridade, com várias manifestações que todos nós podemos cair (de sutil a muito aparente). Enquanto temos um senso interior de superioridade (especialmente a doença de superioridade moral) ou "especialidade" em comparação com os outros - mesmo sem qualquer projeção externa - a Matrix tem seus ganchos em nós.

Isso também pode acontecer com os "viajantes" (indivíduos cujas almas encarnaram de uma densidade mais alta (4ª ou 6ª densidade) nesta terceira densidade com uma missão específica a realizar para ajudar a humanidade), que são muito identificados com o conceito de andarilho "Semente Estelar", (vendo-se como "melhor" do que "seres humanos"), e o ego alimenta fora desta mentalidade limitada.

É também assim que as forças negativas almejam, sequestram e descarrilam os viajantes de sua missão - apelando ao aspecto sombrio de seu ego.

A armadilha da superioridade é tão comum que é quase um subproduto "natural" do processo de Despertar. Ela pode se manifestar em qualquer fase, mesmo depois de ter tido uma experiência de despertar místico que o ego então sequestra.

Em outras palavras, o ego acredita estar acordado, transformando-se em um "ego espiritualizado".

Muitos mestres /gurus autoproclamados (ou mesmo figuras populares no "movimento da verdade") têm grandes questões de superioridade (culto ao transtorno da personalidade) que seus seguidores frequentemente alimentam com sua "adoração" e programação hierarquica-autoritária, percebida como estado inferior do ser, e, assim, colocar outra pessoa em um pedestal.

"Não importa qual a prática ou o ensino, o ego ama esperar uma cilada para apropriar a espiritualidade para sua própria sobrevivência e ganho." - Chögyam Trungpa

Mais frequentemente do que não, não temos controle sobre quando pensamentos/sentimentos de superioridade entram em nós. Pode acontecer como uma resposta mecânica - como o aparecimento súbito de sentimentos de ciúme ou raiva. A chave é a auto-observação, não tentar se livrar dela (o axioma "o que resistimos persiste" se aplica aqui), nada de julgar-nos por pensar/sentir dessa maneira, o que é muito autodestrutivo.

Evite tentar empurrá-lo para longe ou agir sobre ele; em vez disso, continuamos trabalhando em nós mesmos, o que ajuda a desvincular nosso campo vibracional de tais intrusões de pensamento; por não se identificar com eles positivamente (aceitar) ou negativamente (julgando-nos/resistência vigorosa), podemos lentamente liberá-los. A paciência é a chave aqui.

Uma boa coisa a ter em mente é que todos lendo este artigo foram uma vez totalmente "adormecidos", apanhados nos mecanismos de controle da Matrix - nenhum de nós nasceu "desperto". Todos nós tivemos nossos momentos de Despertar Individual, percebendo que temos acreditado em mentiras nossas vidas inteiras, e esse caminho para a liberdade é diferente para cada um de nós.

É aí que a compaixão e a empatia entram, tanto para nós mesmos quanto para os outros, mesmo que as pessoas cegas/inconscientes que "sonham estar acordadas" tendam a apoiar a agenda matricial e, portanto, inconscientemente fazem muito mal apesar de suas intenções bem intencionadas (Por exemplo: a crença no governo, engajar-se no espetáculo político fantoche, que decorre de um mecanismo de "síndrome de Estocolmo", que é baseado no condicionamento social, ou seja, programação autoritária, e, portanto, alimentando a agenda da divisão & conquista).

É importante, porém, não cair em "compaixão cega" ou intelectualizar a compaixão, o que pode resultar em uma falsa máscara de "compaixão" e piedade pelos outros, o que, ironicamente, também decorre de um inconsciente sentimento de superioridade.

De uma perspectiva de cenário maior, também é importante manter em mente que nem todos estão aqui para despertar durante este ciclo atual. Não há nada de errado com essa verdade, e não há julgamento ... é meramente uma função do equilíbrio cósmico.

"A compaixão cega está enraizada na crença de que todos estamos fazendo o melhor que podemos. Quando somos impulsionados pela compaixão cega, reduzimos a todos a muito negligentes, criando desculpas para o comportamento dos outros e criando situações agradáveis que exigem um vigoroso "não", uma voz inconfundível de desagrado, ou uma firme definição e manutenção de limites.

Essas coisas podem, e muitas vezes devem ser feitas por amor, mas a compaixão cega mantém o amor demasiado manso, condenado a usar uma face amável.

A compaixão cega é a bondade enraizada no medo, e não apenas o medo do confronto, mas também o medo de não se manifestar como uma pessoa boa ou espiritual.

Quando mudamos a nossa voz essencial, a nossa abertura é reduzida a uma lacuna permissiva, a um abraço sem discernimento, a uma receptividade pobremente limítrofe, o que indica uma falta de compaixão por nós mesmos (na medida em que não nos protegemos adequadamente).

A compaixão cega confunde a raiva com a agressão, a força com a violência, o julgamento com a condenação, o cuidado com tolerância exagerada e mais tolerância com a correção espiritual ". - Robert Augustus Masters

A ARMADILHA DE TENTAR VIGOROSAMENTE ACORDAR OS OUTROS

Muitos de nós que tomaram a "pílula vermelha" e estão cada vez mais vendo através das mentiras e ilusões da cultura oficial pode estar ansioso para dizer aos outros o que descobrimos e percebemos em nossa jornada. Queremos que os outros, especialmente os nossos amigos e familiares, "acordem" também.

Vemos como sofrem desnecessariamente, apoiando as forças que os oprimem e os desviam, de modo que nossas intenções de despertar os outros vêm de um lugar bem-intencionado; às vezes, elas estão apenas vindo de um lugar de entusiasmo com relação à partilha de informações.

No entanto, duas coisas são importantes para entender e aplicar:

• Considerações Externas e Encerramento Estratégico

"Consideração Externa" significa adaptar-se à visão de mundo/crenças de outra pessoa e, assim, não empurrar informações para alguém que não a pediu em primeiro lugar. Às vezes, essa abordagem envolve o apoio de outras pessoas 'ilusões', porque elas não estão prontas para ouvir a verdade, muito menos ser assistidas em se tornar "desplugadas" do sistema de controle da Matrix.

Em termos esotéricos, "dar sem o (sincero) pedir" é uma violação do livre-arbítrio. Pode interferir com a lição/caminho da alma da outra pessoa envolvida - um indivíduo que precisa aprender certas lições para si mesmo, mesmo que isso implique longos períodos de sofrimento e luta.

Nesse contexto, não podemos "fazer" nada para outra pessoa, nem "salvá-las" - se não estão envolvidas no processo de autotrabalho sincero e buscam sinceramente a verdade por si mesmas, provavelmente será contraproducente um engajamento proporcionando um ponto de vista contrastante.

A parte que "pede" da equação não precisa ser de natureza verbal - depende da situação e do contexto. Confiar nas próprias intuições sobre o que compartilhar (e o que reter) é significativo; simplesmente estar "curioso" não é uma forma sincera de "pedir".

"Para aquelas pessoas que simplesmente se intrometeram no oculto por mera curiosidade, não temos nada a dizer. Elas obterão tanto quanto merecem, e nada mais.

"Pedi e recebereis, buscai e encontrareis, batei e vos será aberto" é igualmente verdadeiro hoje, em relação ao conhecimento esotérico, como era há 2000 anos. ...

Isso invariavelmente pressupõe que o suplicante e o aguilhoado estão realmente buscando, e que eles buscam apenas para satisfazer os anseios profundos da alma imortal. O porteiro, ou guardião do templo da verdade é tão mudo como uma rocha de granito para todos os outros. Eles podem suplicar, gritar e gritar até ficarem roucos, baterem e baterem a porta até que despertem uma nação com seu clamor, e se eles se aproximarem em qualquer outro espírito[desejo sério de satisfazer os anseios profundos do imortal Alma], é tudo para nenhum propósito. Nunca podemos tomar o Reino do Céu pela tempestade. "- "A Hermética Irmandade de Luxor: Documentos Iniciáticos e Históricos de uma Ordem de Ocultismo Prático", por Joscelyn Godwin

“Invólucro Estratégico" refere-se a ter uma estratégia com relação a como apresentar informações que podem desafiar os sistemas de crenças de outro. Às vezes é mais produtivo ficar em silêncio do que deixar cair "bombas de conhecimento" em uma mente inocente, muito menos tentar convencer outra pessoa através de discussão e debate (que só cria o afrouxamento emocional para que as forças ocultas se alimentem).

Isto igualmente vincula ao provérbio "não dê o que é sagrado aos cães; nem lançarás as tuas pérolas aos porcos, para que não os espezinhem debaixo dos seus pés, e te despedacem "- tal é a descrição bíblica da" dissonância cognitiva " nos seus termos mais básicos. Em outras ocasiões, no entanto, a franqueza e "dar nomes aos bois" é necessária como uma resposta adequada também.

O impulso de buscar a verdade em si mesmo e no mundo - e agir com integridade - deve vir de si mesmo. Ninguém pode fazer por outro, e ninguém pode empurrar outro para fazê-lo, até que ele/ ela perceba os tempos instáveis em que vivemos (muitas vezes surgindo como resultado de sofrimento pessoal e desilusão), aja sobre si, e comece a trabalhar em si mesmo.

Muitas vezes, as pessoas não começam a procurar sinceramente a verdade ou a trabalhar mais profundamente até que sofram e são confrontadas com a inevitável desilusão que surge subsequentemente, e se rendem a ela.

"Se usamos a terminologia psicológica ou esotérica, o fato básico permanece o mesmo: os seres humanos não ganham livre-arbítrio, exceto através da autodescoberta, e não tentam a autodescoberta até que as coisas se tornem tão dolorosas que não têm outra escolha.

Se o indivíduo não faz nenhum esforço para expandir sua consciência para que possa entender a natureza de seu desdobramento total e possa começar a cooperar com ele, então parecerá que é peão do destino e não tem controle sobre sua vida. Ele só pode ganhar sua liberdade aprendendo sobre si mesmo para que possa entender o valor que uma experiência particular tem para o desenvolvimento de todo o seu eu ". - Liz Green

O que podemos fazer, no entanto, é espalhar algumas "sementes de consciência", dando às pessoas algum "alimento para o pensamento" por assim dizer, sem tentar convencê-las da veracidade da informação, nem ter expectativas sobre como elas " vão recebê-las”.

Algumas sementes brotam, algumas nunca florescem, mas nunca subestimem o efeito-borboleta sobre o "tempo". Cada situação é diferente, é claro, que remonta a "Consideração Externa" e "Invólucro Estratégico".

"Se você encontrar uma verdade extraordinária, digamos, de provas extraordinárias, mais do que provável, então, no curso de sua vida, se você chegar a isso, você rapidamente aprenderá que havia um caminho para essa visão. E pode ser complexo, pode ser simples, mas havia um caminho para ela. Você não pula direto para ela sem os estágios intermediários. E o mais notável que a verdade acontece quanto mais tempo leva para reconhecer profundamente e conhecê-la - conhecê-la em um nível muito interno [incorporado].

No entanto, podemos observar que há um tremendo impulso de querer compartilhar nossas descobertas com as pessoas e provar a elas e sublinhar as coisas e expor o que acreditamos. Mas todo mundo tem que acordar para si mesmo. Eu digo isso mais e mais. Você realmente não pode fazer isso por mais ninguém.

Portanto, é irreal e imprudente afirmar, esperar que alguém alcance uma visão geral da política, da cultura e da educação, de repente se animar [ideias esotéricas e marginais]. Quanto mais notável a revelação, mais tempo leva para chegar a ela. Portanto, temos de respeitar isso de certa forma.

Temos de esperar também que leva tempo para as pessoas entenderem o que é real e o que é irreal. Tudo o que podemos fazer é expor nossas descobertas e permitir que as pessoas façam o que quiserem. E isso exige disciplina e um alto grau de autoconfiança.

E entre os acadêmicos nem sempre isso deve ser dado como certo. Porque não é apenas disciplina acadêmica, mas é o discípulo pessoal em seu próprio crescimento, em seu próprio ser, não apenas o elemento de computador de nossas mentes, mas todas as outras faculdades também.

E se hesitarmos em nossas convicções, se precisarmos constantemente de validação e tranquilidade, então começamos a comprometer até nossas próprias matérias. É melhor não fazer isso em tudo. Basta jogar o seu próprio jogo. Realize seu próprio ato e obtenha tanta compreensão e autenticidade conforme você puder. E não pare e continue fazendo isso.

E isso traz à mente a questão do que realmente acontece quando dizemos a verdade. E eu sinto muito, tendo trabalhado com todos os níveis de filósofos, acadêmicos, psicólogos, místicos e inovadores ... digo que ser inteligente não é suficiente para conhecer a verdade.

E eu diria que a verdade se revela lentamente dependendo da consciência intelectual, emocional e transcendental do indivíduo.

E esses dois últimos elementos são extremamente carentes no investigador médio - eu diria. Portanto, sua investigação é necessariamente plana e unidimensional. É limitada, para colocar educadamente, assim como uma pessoa que não pode ver a verdadeira essência de uma situação porque ela realmente não consegue. Ela não tem sinceridade, humildade e discernimento." - Neil Kramer

Ao mesmo tempo, também sinto (e já vi) que as ideias de "Consideração Externa" e "Invólucro Estratégico" têm sido usadas como um amortecedor, uma estratégia de evasão e uma justificativa para desculpar as pessoas de estarem abertas sobre as questões importantes que o nosso mundo está enfrentando neste dia e época - ou mesmo com relação ao que realmente pensamos e sentimos, o nosso próprio senso de vulnerabilidade e abertura.

Muitas vezes, há esse medo irracional e paranóia sobre o que os outros podem pensar de nós como indivíduos, se for mais franco - permitindo as opiniões enquadrarem o nosso próprio senso de autoestima.

Mais sobre este tópico em meu ensaio passado: Vocação e Buscando a Verdade - O Desafio de Ganhar a Vida ao Expor e Transcender a Matriz

PARTE V

A ARMADILHA DE QUERER AJUDAR OS OUTROS

Esta armadilha está estreitamente relacionada por trás do impulso de tentar vigorosamente despertar outros. Uma vez que, em muitos casos, não há obviamente nada de errado em querer ajudar os outros - e, na verdade, é frequentemente encorajado a estarmos lá para os outros necessitados - respeitar o livre arbítrio aplica-se aqui também, pois que não podemos realmente ajudar quem não está disposto a ajudar a si mesmo, ou que não está pedindo por isso.

O desejo de ajudar e estar em serviço também vem de um lugar bem-intencionado; no entanto, se começarmos a dar conselhos não solicitados a pessoas, ou lhes dissermos o que "deveriam" ou "não deveriam" fazer, não estamos sendo atenciosos, mas sim, estamos vindo de um lugar de desejo egoísta de mudar a outra pessoa. Especialmente quando desrespeitamos os limites previamente estabelecidos.

Isso não significa ficar em silêncio quando as pessoas se comportam de maneira abusiva em relação aos outros e precisamos intervir para fornecer apoio contra a injustiça. Novamente, tudo depende da situação específica e contexto.

"Seria necessário desenvolver-se a tal ponto que seria possível saber e entender o suficiente para ser capaz de ajudar alguém a fazer algo necessário para si mesmo, mesmo quando essa pessoa não estava consciente da necessidade, e poderia trabalhar contra você, só neste sentido o amor é devidamente responsável e digno do nome do amor verdadeiro.

Mesmo com as melhores intenções, a maioria das pessoas teria muito medo de amar outra pessoa em um sentido ativo, ou mesmo de tentar fazer qualquer coisa por eles; e um dos aspectos aterrorizantes do amor era que, embora fosse possível ajudar uma outra pessoa até certo ponto, não era possível realmente "fazer" nada para elas ....

Se você vê outro homem cair, quando ele deve andar, você pode pegá-lo. Mas, embora dar mais um passo seja mais necessário para ele do que o ar, ele deve dar esse passo sozinho; impossível para outra pessoa levá-lo. " - G. I. Gurdjieff

O impulso para ajudar os outros também pode vir de um lugar de evitar o nosso próprio "material", e mais frequentemente o conselho que damos aos outros é o que precisamos aplicar a nós mesmos, em primeiro lugar.

Temos muito mais impacto em ajudar e inspirar os outros se vivermos pelo exemplo (como ÂNCORAS de frequência incorporadas), mas devemos ter cuidado com o complexo de superioridade que se arrasta, assim como o complexo salvador (tratado mais adiante).

A noção de "Serviço aos Outros" (STO) também se tornou muito distorcida, particularmente entre a religião "New Age", onde o STS (Serviço ao Eu) é geralmente confundido com Serviço aos Outros, especialmente quando nós "ajudamos" os outros a sentirem-se melhor sobre nós mesmos, ou mesmo sentir a necessidade de dizer aos outros o quanto temos sido do serviço e, assim, alimentar-se da atenção/adulação. Isso se relaciona com a decepção do "ego espiritualizado". Michael Topper dá uma visão geral da dinâmica STO/STS a partir de uma perspectiva mais elevada. (Link em ingles AQUI)

Ambas as armadilhas - Tentando Despertar E Tentar Ajudar Os Outros - podem ser particularmente desafiadoras nos relacionamentos íntimos, quando um parceiro começa a acordar e está envolvido no autotrabalho sincero e na procura da verdade, mas o outro parceiro não está.

Se ambos os parceiros não começam a "olhar na mesma direção" e não têm fundamento para trabalhar sinceramente em si mesmos e na relação, a separação é muitas vezes inevitável, pois ambos os parceiros acabam interferindo essencialmente no caminho de alma uns dos outros.

É importante notar que os relacionamentos assumem um nível totalmente novo quando ambos os parceiros estão sinceramente envolvidos na busca da verdade e no autotrabalho e, portanto, a psicologia de relacionamento do estilo tradicional tem seus limites, uma vez que geralmente aborda as relações de uma perspectiva "matricial", sem considerar outros fatores, como "O Lado Negro do Cupido/Picada do Amor e Interferências Hiperdimensionais nos Relacionamentos".

ARMADILHA DA MENTE REVOLUCIONÁRIA (PRESA NA 3D)

Esta é também uma armadilha muito comum: ficamos capturados na visão de túnel da Matriz 3D (lutando externamente), que é, afinal, apenas uma manifestação (sintoma) da matriz hiperdimensional não-física; ao fazê-lo, inadvertidamente alimentamos a agenda do Reino Negativo de dividir e conquistar, e então a "matrix tem-nos", trabalhando através de nós, alimentando-se de todos as emoções “lixo/descarga” projetadas.

Relaciona-se também com as limitações do pensamento 3D (preso na mente) no que diz respeito à tentativa de "consertar" o mundo, bem como a má percepção do "mal" e tentar erradicá-lo, em vez de transcendê-lo. Esta armadilha é baseada em uma falta de consciência/compreensão das forças hostis ocultas que operam fora da nossa gama de percepção sensorial (5 sentidos).

"Olhe o que aconteceu em 1914 - ou, aliás, o que é e está acontecendo na história humana - o olho do Yogue vê não só os acontecimentos externos, mas também as enormes forças que os precipitam a ação. Se os homens que lutaram eram instrumentos nas mãos de governantes e financistas, estes, por sua vez, eram meras marionetes na engrenagem das forças ocultas [hiperdimensionais].

Quando alguém está habituado a ver as coisas por detrás, já não é mais propenso a ser tocado pelos aspectos externos - ou esperar qualquer remédio de mudanças políticas, institucionais ou sociais; a única saída é através da descida de uma consciência [incorporada] que não é o fantoche/marionete dessas forças, mas é maior do que elas são " - Sri Aurobindo, As Forças Escondidas da Vida - O Yoga Integral

Tenho abordado esta armadilha (também relacionada com a armadilha de "lutar contra o mal") com mais profundidade em ensaios anteriores: Timeline-Reality Split, vibração de frequência e as forças escondidas da vida-Individualidade, incorporação e ancoragem de uma frequência mais alta.

A ARMADILHA DA FALTA DE SIGNIFICADO

Outro estado de autoderrota do ser em que algumas pessoas se encontram em algum momento em sua jornada de Despertar é a noção de falta de significado, ou "nada importa de qualquer maneira".

Podemos escorregar para este estado de desautorização mesmo depois de termos tido experiências mais profundas de autorrealização (em que encarnamos a totalidade e a unidade de tudo isso, com a dissolução da personalidade "eu" e perda da consciência separada, dando Caminho para uma experiência abrangente e expansiva do Divino, percebendo a ilusão do estado de sonho que fomos apanhados interiormente).

É também assim que o ego pode sequestrar essas experiências profundas depois que o período de "descer/baixar a compreensão" começa na esteira de tais revelações, distorcendo assim verdades "superiores" (como "tudo é ilusão") em uma espécie de niilismo paradoxal e espiritualizado.

Portanto, não vemos qualquer propósito para fazer algo, pois tudo o que fazemos é irrelevante, uma vez que acreditamos que nada importa de qualquer maneira a partir da perspectiva absoluta, dessa perspectiva que é "verdadeira".

No entanto, a armadilha é assumir o "ponto de vista de Deus" (não falar de qualquer ideia religiosa externa de "deus") e "esquecer" que ainda temos de desempenhar nossos papéis em alinhamento com a Vontade Divina, encarnado em um corpo e colocado dentro do grande esquema da evolução da consciência.

As frequências de criação do "Um" transmutam-se através de todas as expressões de manifestação energética, misturando-se com o nosso Ser encarnado e são todas uma expressão única de "Deus", que é a nossa única via da alma com todas as suas expressões, talentos únicos e lições (e "propósito").

Essa armadilha é ainda mais severa quando se usa verdades absolutas como "tudo é um" e "tudo é ilusão" de uma perspectiva estritamente intelectual de crenças , sem nunca ter experimentado um verdadeiro Despertar encarnado.

Muitos seguidores da filosofia da não dualidade podem cair nessa armadilha, reforçada por suas próprias racionalizações e superestimando seu nível de Ser. Vemos isso também em distorcidos ensinamentos espirituais da Nova Era que têm cooptado e distorcido "verdades superiores".

Cair na armadilha de "falta de sentido" também pode ocorrer quando ficamos sobrecarregados pela loucura da fusão coletiva. À medida que vertemos as camadas de ilusões e mentiras com as quais temos sido doutrinados, e podemos perceber cada vez mais a patologia normalizada em nosso mundo (com milhões de pessoas programadas sonhando despertar), podemos sucumbir a um estado de "choque".

Esta rigidez pode manter seu nível de aderência, quando ficamos presos no processo necessário de desilusão e as sensações resultantes de desespero, depressão e desesperança se apoderam; só vemos a negatividade em nosso mundo e nos isolamos de tudo e de todos (nota: aprender a ficar sozinho na solidão - não ser confundido com a solidão - é uma lição necessária para aprender neste processo também).

Dizemos a nós mesmos que "é inútil", "o mundo sempre será como é", "não há nada que eu possa fazer", "nada em atos ", etc. Esta é a aderência /o agarrar desesperado do ego para não deixar ir, para reafirmar a ilusão da Separação, e também sequestra o processo de "tornar a escuridão consciente ", transformando-a em negatividade autodetestável.

Os ataques e interferências hiperdimensionais também podem aumentar durante esta "Noite Escura da Alma", tentando nos manter no "submundo da escuridão", até ao ponto de nos empurrar para tendências suicidas.

No entanto, o processo de desilusão é um estágio necessário (e de fato, positivo) do processo de Despertar (isto é, a dissolução de ilusões); portanto, sentimentos e períodos de desespero, depressão, choque, solidão e falta de sentido são sintomas normais de uma alma mais profunda despertando, e há uma luz no fim do túnel se tivermos fé e persistirmos sem ceder à escuridão interior e exterior. Em última instância, estabelece a base para inflamar o Fogo Alquímico Interno da transmutação; do chumbo (matéria/consciência do ego) em ouro (Espírito/ Vontade Divina).

FUGA DAS RESPONSABILIDADES DIÁRIAS

Algumas pessoas podem tornar-se tão apaixonadas por viver uma "vida espiritual" - ou ficar presas na mentalidade revolucionária - que a usam como uma desculpa para evitar lidar com assuntos cotidianos comuns.

Elas tendem a rejeitar qualquer coisa que elas não percebem como "espiritual" (ou o que elas veem como "a realidade da matrix") de uma forma reacionária de resposta automática/preto&branco - como não pagar suas contas, alugar ou sentindo-se muito "bom /muito espiritual" para até obter uma fonte de renda e trabalho.

Nos casos mais extremos, elas tendem a manipular, ficar como sanguessugas (e essencialmente se alimentar) de outros, a fim de prover para si próprias (e sozinhas).

A rejeição do mundo material é outra área de uma compreensão distorcida no que diz respeito à vida espiritual (o outro lado daquela moeda está usando conceitos espirituais como uma justificação/meios de obter avidez materialista/vícios).

Muitos verdadeiros/buscadores espirituais acreditam que sua incapacidade de funcionar no "mundo 3D" e incapacidade (recusa) para gerenciar assuntos diários comuns é como usar um distintivo de mérito - uma prova da sua grande espiritualidade ("Eu sou muito espiritual para ..." ).

Isto liga ao complexo do mártir também (falo mais tarde). - O Zen dizendo "antes da Iluminação: corte madeira, carregue água; depois da Iluminação: corte madeira, carregue água " - se aplica aqui, o que basicamente significa ter humildade.

Isso também se aplica à armadilha de "combater a matrix 3D". Enquanto o sistema de controle matricial minou nossa energia, e mantém muitos de nós preocupados com a sobrevivência e "ganhando a vida", ao roubar de nós (impostos) ou manipulando-nos em dívida (ou pior), precisamos ser planejadores estratégicos, a fim de evitar atrair atenção negativa desnecessária da matrix que poderia comprometer tanto a nossa capacidade de funcionar como de ajudar os outros.

Quando nos recusamos a lidar com assuntos da vida cotidiana - decorrentes de uma sensação inflada de ser "espiritual" ou uma atitude reativa emocional "exploda-se o sistema" (projetada nos sintomas/sombras na parede da matrix 3D) - a "matrix nos têm" neste caso também, pois essencialmente reagimos a partir do ego/consciência de sobrevivência, que é exatamente a frequência onde os senhores da matrix querem que estejamos.

Algumas pessoas concentram toda sua energia e sua vida em "ficar fora da rede/sistema", ou procurar falhas e maneiras de não pagar seus impostos, essencialmente tentando viver "abaixo do radar", o que pode comprometer sua capacidade de servir. Também pode se tornar uma estratégia de "evasão", baseada no pensamento de sobrevivência na 3D.

Embora, obviamente, não esteja a condescender com o sistema de roubo, nem estou contra a luta pela autossustentabilidade ou a viver fora da rede (muito pelo contrário), precisamos ser cautelosos para não cair na revolucionária 3D, e voltarmos ao ponto novamente: armadilha da mentalidade, nem em pensamento/comportamento reacionário preto&branco.

Como é mencionado em vários ensinamentos esotéricos, como "Gnose" de Boris Mouravieff:
"Em seus primeiros passos na via [caminho de acesso ao Despertar - transcendendo a Lei Geral / Matriz Hiperdimensional], o homem deve aplicar o princípio: alimente o crocodilo para que não sejamos devorados".

Em outras palavras, às vezes precisamos alimentar os "crocodilos" para mantê-los calmos, ou seja, brincar com as "regras" da matrix até certo ponto para nos protegermos para que possamos continuar com a Grande Obra e não atrair atenção negativa desnecessária sobre nós mesmos.

ARMADILHA DA CONSCIÊNCIA DE VÍTIMA E DA CULPA

Conforme despertamos para o "horror da situação" (como Gurdjieff descreveu) e percebemos a loucura do mundo - com pessoas dormindo, "sonhando estar despertas", bem como o nosso próprio estado de sono e condicionamento - podemos sentir como estarmos presos em uma prisão, e essa analogia é correta em muitos aspectos.

Como resultado deste "choque", pode ser natural, a princípio, é sentir-se como uma vítima e culpar os poderes/autoridades da elite global em um nível 3D, ou seus marionetes hiperdimensionais) para a nossa situação.

No entanto, ficar preso na culpa e vitimização é essencialmente um estado de desautorização (sem poder) que alimenta a matrix. Enquanto toda situação é sentida como estar em uma prisão, de uma perspectiva mais elevada, a vida na Terra é uma "escola" para a evolução da consciência, e tudo o que há é essencialmente lições de alma.

Quando estamos sujeitos a ataques pessoais (hiperdimensionais ou de outras pessoas), ou temos que lidar com relacionamentos interpessoais difíceis (onde tendemos a culpar os outros ou nosso parceiro pelo que eles / ela fizeram "para nós"), e entramos em reatividade, a matrix está sendo nutrida.

Obviamente, isso não significa tolerar o abuso, e os limites precisam ser feitos.
No entanto, essencialmente, não podemos culpar os outros por como nos sentimos.

*A frequência da vítima/culpa é exatamente o que a matrix hiperdimensional alimenta, e "eles" querem que nós nos envolvamos no combate interpessoal, pois tudo cria o "lixo/descarga" emocional para que “eles’ se alimentem.

No momento em que você toma algo como pessoal, a Matrix tem você, desencadeando sua autoimportância (identificação com sua personalidade/ego).

"A autoimportância é nosso maior inimigo.

Pense nisso - o que nos enfraquece é sentir-nos ofendidos com as ações e atos de nossos semelhantes. Nossa autoimportância exige que passemos a maior parte de nossas vidas ofendidos por alguém. Todo esforço deve ser feito para erradicar a autoimportância da vida dos Guerreiros.

*Sem autoimportância, somos invulneráveis.

Autoimportância não é algo simples e ingênuo. Por um lado, é o núcleo de tudo o que é bom em nós, e por outro lado, o núcleo de tudo o que é deteriorado.

Para se livrar da autoimportância que está deteriorada exige uma obra-prima da estratégia. A fim de seguir o caminho do conhecimento tem de ser muito imaginativo. No caminho do conhecimento nada é tão claro como gostaríamos que fosse.

Guerreiros lutam com a autoimportância como uma questão de estratégia, não de princípio.

*Impecabilidade não é outra coisa senão o uso correto da energia.

Minhas declarações não têm nenhuma conotação de moralidade. Eu economizei energia e isso me torna impecável. Para entender isso, você tem que economizar energia suficiente em si mesmo.

Guerreiros recolhem registros estratégicos. Eles listam tudo o que fazem. Então eles decidem quais dessas coisas podem ser alteradas a fim de permitir uma pausa, em termos de gastar sua energia.

O inventário estratégico abrange apenas padrões comportamentais que não são essenciais para a nossa sobrevivência e bem-estar. Nos inventários estratégicos de guerreiros, imagens de autoimportância enquanto a atividade que consome a maior quantidade de energia - seu esforço é para erradicá-las. Uma das primeiras preocupações dos Guerreiros é liberar essa energia para enfrentar o desconhecido com ela.

A AÇÃO DE REORIENTAR A ENERGIA É IMPECABILIDADE

A estratégia mais eficaz para reorientar a energia consiste em seis elementos que interagem uns com os outros. Cinco deles são chamados os ATRIBUTOS DO CAMINHO DO GUERREIRO: CONTROLE, DISCIPLINA, TOLERÂNCIA, TEMPO E VONTADE.

Eles pertencem ao mundo do Guerreiro que está lutando para perder a autoimportância.

O sexto elemento, que é talvez o mais importante de todos, pertence ao mundo exterior e é chamado de tirano pequeno. Um tirano pequeno é um atormentador. Alguém que ou tem o poder da vida e da morte sobre os Guerreiros ou simplesmente os irrita para a distração. Pequenos tiranos nos ensinam o desapego. Os ingredientes da estratégia dos novos capacitados mostram quão eficiente e inteligente é o dispositivo de usar um pequeno tirano.

A estratégia não é só se livrar da autoimportância; ela também prepara Guerreiros para a realização final que a impecabilidade, que é a única coisa que conta no caminho do conhecimento.

Se os que veem podem enfrentar pequenos tiranos, eles podem certamente enfrentar o desconhecido com impunidade, e então eles podem suportar a presença do incognoscível.

O erro que os homens médios fazem ao confrontar pequenos tiranos não é ter uma estratégia para fracassar; a falha fatal é que os homens comuns se levam muito a sério; suas ações e sentimentos, bem como os dos pequenos tiranos, são muito importantes.

Guerreiros, por outro lado, não só têm uma estratégia bem pensada, mas são livres de autoimportância. Pequenos tiranos capturam com seriedade mortal enquanto Guerreiros não. O que geralmente nos esgota é o desgaste da nossa autoimportância. Qualquer homem que nada tem de orgulho é afastado/separado do Ser para se sentir inútil." - Don Juan em "O Fogo Interior"por Carlos Castaneda

Independentemente do que aconteceu "para nós", à luz do processo de Despertar, precisamos tomar consciência do arquétipo da vítima que está fortemente embutido em nossa psique coletiva para nos capacitar e assumir a responsabilidade por nossa cura, crescimento e Vida.

"A raiz do arquétipo da VÍTIMA é um medo que você não pode sobreviver ou não sobreviverá. Não apenas sobrevivência física, mas a sobrevivência de sua identidade, suas esperanças e sonhos ou senso de si mesmo.

No fundo, existe a crença de que você não merece prosperar e que a Vítima é uma maneira de ter controle passivo sobre sua vida. Todas as vítimas têm direito. Pode levar algum tempo para ver o seu próprio senso de direito, mas é importante identificá-lo para ser capaz de transformar este interessante arquétipo da Sombra para Luz. Trabalhar através da Vítima pode ser a coisa mais difícil que você faz, mas é a vida se alterando também.

[...] A Vítima Iluminada entende que o verdadeiro poder vem de dentro e está ligado à responsabilidade pessoal. Quando você é a Vítima Iluminada você não pode culpar os outros porque você pode ver que a perda de poder acontece de dentro. Seria inútil procurar o empoderamento onde ele não existe.

A Vítima Iluminada pergunta "o que posso fazer com a situação que me foi dada?"

Há uma grande cena do filme "O Senhor dos Anéis", onde Frodo, sentindo-se vitimado pelo fato de que o anel do poder chegou até ele, diz a Gandalf: "Eu gostaria que o anel nunca tivesse chegado a mim".

Gandalf responde-lhe sabiamente: "Assim como todos os que vivem para ver esses tempos. Mas não cabe a eles decidirem. Tudo o que temos para decidir é o que fazer com o tempo que nos é dado. Há outras forças trabalhando neste mundo Frodo, além da vontade do mal. Bilbo estava destinado a encontrar o anel. Nesse caso, significa que você também deveria tê-lo. E esse é um pensamento encorajador."

Aqui Gandalf mostra a Frodo onde está seu verdadeiro poder. Há algumas coisas na vida que não são para nós decidirmos, mas podemos decidir o que fazer com o que nos foi dado, ou o que nos aconteceu. É um pensamento muito encorajador.

[...] A Vítima Iluminada não tem medo de fraqueza e fragilidade porque mantêm a vulnerabilidade como uma força. Vocês aprenderam que o poder pode ser encontrado mesmo na pior vitimização. Você não tem mais medo de falhas, perdas, tragédias, sofrimento e infortúnio porque nenhuma dessas circunstâncias externas tem o poder de controlar sua vida.

A vulnerabilidade é o cerne da sua força porque ela permite que você descubra diferentes tipos de poder e especialmente reconheça a força da abertura. A vulnerabilidade torna você maleável e disposto a ser mudado pelas suas circunstâncias sem perder seu poder." - Susanna Barlow, Entendendo o Arquétipo da Vítima

Nós vemos o arquétipo da vítima/culpa exteriorizado nos meios sociais nestes dias também. Uma boa maneira de verificar a si mesmo, a fim de garantir que você não está caindo nessa armadilha (e, portanto, essencialmente dando o seu poder energeticamente) é observar como facilmente você começa ficar provocado/chateado sobre os posts de outras pessoas, opiniões, imagens, etc., especialmente numa referência baseada em um nível emocional.

Observe como você pode estar projetando o tumulto interior em pessoas que você nunca conheceu pessoalmente, nem falou cara a cara ... tomando as coisas pessoalmente, ficando ofendido, mesmo se você se for justificado porque você foi "atacado" (aliás, neste caso não há nada de errado em bloquear/excluir pessoas - colocar limites claros é importante, também!).

Observe, ao compartilhar coisas pessoais, se está realmente vindo de um lugar de autopiedade e culpa, em vez de vulnerabilidade honesta que é apoiada pela humildade (não deve ser confundido com "autodiminuição") e responsabilidade pessoal ... ou postar algo a fim de buscar a atenção, que se relaciona com Narcisismo.

Tudo isso deste "lixo/descarga" emocional - baseado no egoico autocentramento - é o que sustenta a Matrix.

Às vezes é complicado capturá-lo em si mesmo, e a mente do ego/predadora pode camuflar-se e mudar de forma como um camaleão. A autosinceridade, a autohonestidade radical e a observação de si mesmos são ferramentas-chave para se executar a fim de verificar nossas ações e pensamentos em todos os momentos a esse respeito (uma boa pergunta a se fazer: qual é a minha verdade - intenção de publicar isto ou aquilo?).

Tudo isso é especialmente verdadeiro em relação à internet e a inteligência artificial, uma contaminação que todos nós estamos expostos através da tecnologia, mantendo-nos centrados na mente e isolados (apesar do lado positivo da conexão, rede e compartilhamento de informações).

Ao mesmo tempo, é importante não nos culpar, especialmente quando compramos a ideia distorcida da Nova Era de que "você cria sua própria realidade" e a ideia simplificada de que você "criou" tudo em sua vida, com base em seus pensamentos e estado emocional.

A assim chamada "Lei da Atração" (como é comumente usada nos dias de hoje em conceitos corrompidos de Nova Era/Pop-espiritualidade de "você cria sua própria realidade") é uma grosseira distorção de seu verdadeiro significado esotérico e fonte, que diz:

"Peça e a você será dado" também foi corrompido de seu significado esotérico original e diluído em:"Eu posso ter qualquer coisa que eu quero do "universo", se eu apenas" pedir "para Ele, e alinhar meus pensamentos e emoções com meus desejos ".

Em primeiro lugar, a "lei da atração" (baseada no ditado "semelhante atrai semelhante") foi voltada para o buscador sincero envolvido no autotrabalho esotérico, o que significa que ele/ela vai "atrair" qualquer coisa que o ajude para a sua evolução da alma com o objetivo de união com o "Um", ou seja, incorporação/encarnação da alma, autorrealização, despertar/iluminação, etc.

A frase "Peça e a você será dado" para o conhecimento esotérico, à verdade, à assistência e aos "segredos ocultos" que o ajudarão no Caminho, e não uma "coisa" (ou trabalho, dinheiro, relacionamento) baseada nos desejos culturalmente condicionados do ego.

No entanto, o que a ele/ela será "dado" ou "atraído" não depende de "ele/ela", mas se relaciona com suas lições de alma e até inclui (além de coisas "positivas", como o mestre) - ataques de forças ocultas, que podem ser ensinamentos/iniciações disfarçadas que podem parecer "negativas" para o olho do não Iniciado, mas são lições necessárias para ele/ela passar como parte do processo de Despertar. Eles não têm nada a ver com "atraí-los por causa de sua atitude negativa".

Afinal, trata-se de deixar de lado o condicionamento mental do macaco e perceber a ilusão da "vontade pessoal" (identificação do ego) para dar lugar à Vontade Divina - tornar-se um indivíduo soberano encarnado, um instrumento consciente para o Espírito trabalhar, expressando-se neste plano de realidade, fundindo-se com ele/ela como uma única âncora de frequência.

PARTE VI

A Armadilha do Salvador e Consciência do Mártir

No outro lado da moeda da Vítima está o complexo de Salvador/Mártir, que se liga à armadilha de "acordar/ajudar os outros". Este estado inflacionado - sendo identificado com o "salvador" - baseia-se na ilusão de que há algo "errado" com a realidade (como na força criadora da Fonte/ Deus/Universo de onde todos se originam/é manifestado) - de alguma forma um "erro" e, portanto, precisamos "salvar" ou "consertar" o mundo.

Ao assumir o "ponto de vista de Deus" e, portanto, resultando em um sentimento de grandiosidade e sentimentos de "ser peculiar/especial" (complexo de superioridade), essa armadilha está ligada ao equívoco do que é realmente o "mal" e como ele opera dentro da Dualidade da Luz e da Escuridão.

Não significa apenas apoiar qualquer um, mas sim, ativamente engajar-se na evolução da consciência, com todas as lições coletivas e pessoais contidas dentro.

O complexo de salvador também é muito comum em pessoas que são excessivamente identificadas com o conceito de "viajante/renegado/ semente estelar/família de luz", que seu ego sequestra para colocar-se em pedestais enquanto "olha para baixo" Mencionado anteriormente na armadilha de superioridade. Este tópico é explorado em profundidade neste ensaio: Wanderers, Propósito e Trabalho Esotérico nesta Época de Transição.

Ele também se relaciona com pessoas que estão muito ligadas (e identificadas com) o que eles percebem como sua "missão" e "propósito". Enquanto todos nós temos nossos chamados individuais na vida - que podemos (e devemos) ser apaixonados - é importante ter em mente que o propósito não é uma definição, mas um processo, e deve ser visto à luz da evolução da nossa alma individual, e como ela se alinha com nossos talentos exclusivos, nosso desenvolvimento e nossas lições para aprender.

No momento em que a ambição, o orgulho, a vontade de fazer ou a necessidade de "provar a nós mesmos", não estão alinhados com o espírito interior, mas sim com a consciência do ego ... os desejos assumem e a matrix nos tem.

O complexo de mártir é uma forma ainda mais exagerada do complexo salvador - é ativado sempre que sentimos que precisamos sofrer "pelos outros", e nos orgulhamos de carregar o peso do mundo sobre nossos ombros.

Mostra-se quando nós orgulhosamente "ostentamos" como estamos sendo "atacados" sobre o que nós fazemos (ativismo ou falando), e às vezes desnecessariamente nos colocamos em situações comprometedoras para provar de algum modo como estávamos certos desde o início.

Esse comportamento também se baseia na falta de consideração externa e envolvimento estratégico. Relaciona-se também com a profunda programação religiosa dogmática, especialmente com a ideia cristã de que "Jesus morreu por nossos pecados" e se vincula ao programa coletivo salvador externo, com as massas procurando alguém para salvá-los/guiá-los (baseadas em programação autoritária).

A fim de evitar qualquer dessas armadilhas (ou puxar-nos para fora deles novamente se cair em uma), humildade e modéstia são assistentes-chaves em um nível básico de fundamento:

"Goste ou não, a humildade só existe na esteira da arrogância. Poucas pessoas conhecem a humildade por si mesmas ou optam por ela imediatamente. A maioria de nós caiu em arrogância e egoísmo e falharam. Nós enxergamos a humildade depois de ter testado completamente a alternativa.

A verdadeira humildade é uma escolha que fazemos cada vez que há um confronto e, a menos que uma pessoa esteja extremamente confortável, segura de si e segura, ela não pode facilmente ser humilde. A pessoa dinamicamente modesta escolhe ser humilde de intensidade. A humildade das Mudanças [I Ching / Yijing] é um poder ativo. Como tal, é mais do que uma posição moral: é uma virtude.

A humildade é semelhante à compaixão - pelo menos no sentido de que a verdadeira compaixão significa estender a energia e os talentos em benefício dos outros. Não se pode ser misericordioso a partir de uma posição de fraqueza. [...] Permanecer humilde, mesmo quando você está sob grande coação, permanecer autocontrolado em face de insultos e recusar-se a intimidar os outros com sua postura e poder são exemplos de humildade da vantagem de grande força.

Aqueles que são humildes irão gradualmente descobrir outras vantagens. Eles não hesitarão em ir além de si mesmos. Com nada a provar, eles estão dispostos a explorar novas situações. É verdade que eles podem cometer erros. Eles podem até mesmo sofrer constrangimento. Mas a pessoa humilde reconhece e aceita isso. Os imodestos cometem erros também - mas eles tentam esconder seus erros e negar sua falibilidade. Isso piora seus erros e aumenta seu isolamento." - Deng Ming-Dao, "O Vivo I Ching; Usando a sabedoria chinesa antiga para dar forma a sua vida "(Hexagrama 15)

O CAMINHO PARA O TEMPLO DOS SEGREDOS

"O Templo dos Segredos está localizado em uma montanha alta, e em toda parte espinhos estão cobrindo o caminho que conduz ao Templo. A altura inconcebível e misteriosa da montanha é a razão pela qual muitas pessoas duvidam da existência do Templo dos Segredos. Alguns pensam nisso como um conto de fadas, alguns consideram um velho mito e outros acreditam que ele é a verdade.

À entrada do caminho estreito encontra-se a Ignorância, com as irmãs Estupidez e Preguiça, e contam histórias terríveis aos viajantes e as horríveis aventuras que os eles encontrarão se pisarem neste caminho. É assim que os seres humanos preguiçosos e seres humanos temerosos podem facilmente ser persuadidos a voltar atrás.

Há alguns seres humanos em que a Ignorância tenta seus enganos em vão. Eles escalam a primeira parte do caminho íngreme espinhoso, e quando eles estão a meio caminho até a montanha, eles alcançam um planalto em que encontram o Templo do Amor-Próprio.

Junto a este Templo está a Autopresunção, o Orgulho e o Conhecer-tudo e eles oferecem ao viajante um cálice, do qual bebe seu próprio Eu em grandes goles e assim se intoxica consigo mesmo, com seu próprio "eu".

Estes viajantes tornam-se então tão intoxicados consigo mesmos que imaginam que o seu Templo, o Templo do Amor-próprio é o Templo dos Segredos e não há nada, mas nada, acima deles. A inscrição neste templo, o Templo do Amor-próprio, diz o seguinte: O Santuário da Sabedoria do Mundo.

Desejos, paixões e desprezo são os servos destes sacerdotes. No entanto, aqueles cujo coração procura a verdade não vai encontrar qualquer satisfação com isso e eles vão continuar a procurar.
A poucos passos deste Templo você encontrará uma cabana muito isolada, habitada por um eremita, com a seguinte inscrição acima da porta: A Residência da Humildade.

O homem que vive aqui guia os estranhos para a residência da humildade, que por sua vez leva-os ao autorreconhecimento. Esta Divina Beleza se torna companheira do viajante, e com ela, ele conquista a inacessível montanha. Quem tenta chegar ao Templo dos Segredos sem esta Beleza Divina pode facilmente ser enganado pelo seu Amor-próprio e, como resultado, seguirá o caminho errado.

Sua ganância pelo conhecimento o levará ao Templo da Curiosidade. Os habitantes deste Templo são: a fraude, a sedução e o engano, os fundadores da maioria das sociedades secretas e aqueles Seres Humanos que, em busca da Verdade e do Templo dos Segredos se eles se juntarem a essas Sociedades Secretas, serão roubados da capacidade de ver com sua Alma. Eles são então levados para o topo da montanha, onde eles caem no abismo ou no labirinto ou desorientação, eles andarão em círculos pela eternidade sem encontrar a Verdade.

A Humildade sozinha é o melhor guia. Isso por si só levará o buscador ao Mestre dos Professores de todos os segredos. Este Mestre Professor é a Pura Vontade. Esta Vontade Pura torna-se o amigo mais elevado do conhecimento e eles entram em um vínculo de união eterna [Divina Vontade].

O conhecimento dos efeitos da Luz Eterna da Piedade em todos os seres criados é a Verdadeira Magia na Teoria. A concepção desta Luz, ou a transição do intelecto para a Vontade, é a Verdadeira Magia na Prática."- Von Eckarthausen, Magic: Os Princípios do Conhecimento Superior, 1788

FORÇAS HOSTIS OCULTAS FOCAM O BUSCADOR

As armadilhas acima mencionadas na jornada de Despertar relacionam-se mais com nossa atitude interior e com os insights, experiências e conhecimentos espirituais (incluindo o conhecimento de como a matrix funciona), que levam o ego a acreditar que é o eu que desperta.

A maneira como eu uso o termo "ego" é em relação a identificar com quem "pensamos" que somos, a personalidade condicionada ou qualquer coisa que "façamos" com base na ilusão de estar separado, preso num estado de consciência fragmentado, isto é, Falta da totalidade (que é também o resultado da divisão do homem e da mulher internos que aparece na divisão corpo-mente que é tão prevalente na nossa sociedade moderna).

No entanto, todas as armadilhas mencionadas anteriormente também são "reforçadas" por interferências hiperdimensionais e ataques que estão fora da nossa estrutura de ego ou questões de sombra - tão importante quanto o trabalho de sombra é de uma perspectiva junguiana, tem suas limitações no trabalho psicológico em geral, que abordamos neste ensaio.)

As forças hostis ocultas nos afetam de mais maneiras do que estamos conscientes, especialmente com aquelas pessoas que estão ativamente envolvidas em atividades de conscientização, autotrabalho espiritual, buscando a verdade , e falando sobre isso.

Seja através de nossas próprias mentes, como ataques psíquicos ou apegos de entidade, ou forças trabalhando através de outros que estão sendo usados como "portais" para nos desviar do nosso caminho, a vigilância é essencial.

Pense no agente Smith sendo capaz de se injetar em qualquer personagem no mundo virtual no filme "The Matrix", tentando impedir Neo de despertar para suas habilidades reais. Assim, as pessoas cego-cognitivas - pessoas que estão dormindo, conectadas à Matrix, a grande Ilusão - podem tornar-se "ferramentas" inconscientes e marionetes da Matrix, implantando táticas como pressão social/ostracismo social para garantir que ninguém salte da linha.

"Além dos fracos e indefesos, os vampiros [escondidos] procuram pessoas que estão à beira de um salto quântico, evolucionário na consciência, mas ainda não integraram completamente suas realizações e saem do outro lado. Esses indivíduos estão em uma condição energeticamente sensível e "carregada", e sua abertura e vulnerabilidade convida as entidades vampíricas para ajudar a si mesmas, e engolirem a luz da consciência crescente da sua presa.

Paradoxalmente, porém, prosperando na ausência de luz, pode-se dizer que os vampiros são "comedores de luz", à medida que atraem e consomem a luz pertencente aos outros no buraco negro cavernoso de seu vazio inato. Resumindo, os vampiros querem encurralar a energia, na luz, para centralizar seu poder e controle.

Incapaz de gerar a própria fonte de energia de luz, eles precisam roubar e usar as reservas dos seres em escravidão aproveitando-as para eles. Os elementos emergentes positivos e saudáveis da outra pessoa são cooptados, neutralizados ou corrompidos.

Uma vez que sua vítima é encurralada, o vampiro literalmente quer manter seus cativos sob fechadura. Paradoxalmente, os vampíricos tentam destruir a luz dos outros, pois os lembra do que eles mataram em si mesmos, enquanto simultaneamente tentam se apropriar da luta por si mesmos.

Os detidos/aprisionados veem seu trabalho como "aferrolhado" nas expressões criativas do amor, porque o amor genuíno ameaça seu reino de terror. A estratégia desses predadores é distrair-nos para manter nossa atenção direcionada para fora, impedindo-nos de encontrar a luz dentro de nós mesmos, que "mataria" os vampiros. Se levarmos um espelho e refletirmos de volta a loucura sendo exibida por aqueles atingidos pela psicose, corremos o risco muito real de sermos acusados de ser os que estão loucos.

Se conseguimos nos conectar com a luz dentro de nós mesmos e tentar compartilhá-la com outras pessoas, essas entidades vampíricas não-locais (o que eu tenho em escritos anteriores chamados de "demônios não-locais", não ligados pelas leis tridimensionais do espaço e do tempo), tentarão, através de suas "conexões" com o campo não-local, parar, influenciando outras pessoas a se voltarem contra nós.

Este processo pode nos destruir, ou, se tivermos o objetivo-consciencial para ver o que está acontecendo e somos capazes de navegar com habilidade nosso caminho, pode servir para fortalecer nossa intenção, aprofundar nossa conexão com a luz da lucidez [dentro], aprimorar nossa habilidade de transmitir criativamente nossas realizações, e cultivar uma compaixão mais aberta. É como se esses vampiros psíquicos, não-locais fossem guardiães do limiar da evolução ". - Paul Levy, Dispensando Wetiko

Há forças altamente conscientes cujo único objetivo, aparentemente, é desencorajar o buscador (espiritual) e desviá-lo do caminho que ele escolheu. O primeiro sinal de sua presença é facilmente perceptível: a alegria é nublada, a consciência está turva, tudo fica envolto numa atmosfera de melodrama e tristeza.

A ANGÚSTIA PESSOAL É UM SINAL SEGURO DA PRESENÇA DO INIMIGO.

Melodrama é um assombro favorito destas forças; que é como eles são capazes de criar o maior estrago, porque eles jogam com um parceiro de equipe muito velho dentro de nós, que não pode ajudar a amar o melodrama, mesmo quando ele clama por alívio.

Primeiro, eles geralmente fazem questão de nos forçar a tomar decisões súbitas, extremas e irrevogáveis, a fim de nos afastar o mais possível de nosso caminho - uma vibração exigente e exigente que exige a adesão imediata; - ou então, desmontam, com notável habilidade, todo o sistema de nossa busca para provar que estamos nos iludindo e que nossos esforços não serão nada; mais frequentemente, PROVOCAM UM ESTADO DE DEPRESSÃO, brincando com outro colega de equipe bem conhecido dentro de nós, a quem Sri Aurobindo chama de homem das dores(*): um companheiro. . . cobrindo-o com sete casacos de tragédia e tristeza [autopiedade], e ele não sentiria sua existência justificada se não pudesse ser colossalmente miserável.

(*) Nota Stela - sugiro a leitura deste texto: "ECKHART TOLLE - O CORPO DE DOR"

O método para lidar com essas forças adversas é o mesmo que para as outras vibrações: SILENCIO, QUIETUDE INTERIOR que permite a tempestade parar. Podemos não ter sucesso na primeira vez em dissolver esses ataques, mas cada vez mais eles parecem ter lugar na superfície do nosso ser; podemos estar abalados, desnorteados, mas no fundo sentiremos a "Testemunha" em nós, ilesos e inalterados – o ser nunca afetado.

NÓS CAÍMOS E VOLTAMOS NOVAMENTE, 
CADA VEZ FICANDO MAIS FORTES.

"O único pecado é o desânimo. Na prática, o candidato [sincero] será muito mais exposto do que outros [seu objetivo é uma ameaça à Agenda da força hostil oculta]." - Satprem, "Sri Aurobindo ou a Aventura das Consciências"

Qualquer pessoa que esteja à beira de um verdadeiro Despertar irá atrair a atenção dessas forças, e nem sempre é o resultado de ter pensamentos negativos ou uma atitude negativa (como é alegado na versão distorcida New Age da "Lei da Atração" ).

A razão simples para seus atos sinistros é que eles não querem perder sua fonte de "alimento", e assim eles tentam descarrilar você no meio de sua mudança de frequência (como resultado do processo de Despertar).

Eles visam especialmente os nossos ângulos mortos, feridas e identificações ego-predominantes, que são diferentes para cada um de nós. Por exemplo, se você tem uma síndrome de "cavaleiro branco" intrinsecamente incorporada, eles aumentarão seu complexo salvador, além de induzi-lo à armadilha de (com força) tentar acordar/ajudar os outros.

Ou, por outro lado, se você sofre de baixa autoestima e autopiedade (na maioria das vezes devido a trauma passado/criança ferida), eles irão aprimorar o complexo de vítima. O mesmo vale para o complexo de superioridade, e assim por diante. Qualquer coisa que eu mencionei na seção de armadilhas pode e será aumentada por interferência hiperdimensional e injeções de pensamento.

É por isso que, à luz do processo de despertar de uma perspectiva absoluta, a parte mais importante da experiência é sair da mente e não identificar-se com quaisquer pensamentos que residam ali, independentemente se eles vierem de nossa própria estrutura interna do ego, ou são infundidos através de inserções "externas".

A saída é instilando um estado de ser não-reativo calmo e aterrado, ancorando a uma frequência mais elevada incorporada, o que resulta em ativar nosso modelo original antes da modificação genética de modo a transcender a matrix.

Mas antes que possamos fazer isso, precisamos limpar a embarcação dentro, e isso é muito mais difícil do que lutar contra a matrix externamente (o que é inútil de qualquer maneira, no final do dia), especialmente quando fica preso em suas manifestações 3D.

É através dos "erros" e dos ataques que aprendemos e crescemos - no final do dia, mesmo essas forças (se estão trabalhando através de outros ou nos focando diretamente) são nossos "professores", fazendo-nos conscientes de onde nosso trabalho é exigido dentro de nosso veículo interno.

Quando tudo está dito e feito, estas são apenas lições e iniciações para nos ajudar a tornar-nos mais conscientes e conscientes. A armadilha reside na possibilidade de que possamos ficar presos em uma prisão de vibração mais baixa (ou puramente “pensar -3D "), e ficar atolado em negativos "laços emocionais", projetando-os sobre os outros e o mundo em geral.

"Embora nem sempre sejamos a fonte de injustiças contra nós, somos a causa de sua entrada em nossas vidas. A Matrix, mesmo com todos os seus desequilíbrios e corrupção por parte das entidades de livre arbítrio que ultrapassaram o seu lugar na natureza, é, no entanto, um programa de aprendizagem inteiramente sensível à nossa própria ignorância e fraqueza.

PODE SER UMA ESCOLHA DO PREDADOR PARA ATACAR, MAS É NOSSA ESCOLHA ACEITAR O ATAQUE E SUCUMBIR A ELE.

O sistema de controle Matrix só pode nos desviar através dos elementos dentro de nós que correspondam à sua baixa natureza vibratória. Se ignorarmos nossa intuição, tivermos pontos cegos em nossa consciência, ou nos engajarmos em sentimentos e comportamentos sórdidos, então estas são as alamedas nas quais estamos.

OS ATAQUES SERVEM PARA IDENTIFICAR NOSSAS PRÓPRIAS FRAQUEZAS, FORNECENDO ASSIM O FOCO PARA ONDE DAR O PRÓXIMO PASSO NO CAMINHO DE UM DESPERTAR ESPIRITUAL.

No sentido absoluto, o Sistema de Controle de Matrix serve para acelerar seu crescimento espiritual e, embora seus agentes o vejam como o inimigo, saiba que você pode utilizá-los como professores. Você não precisa procurá-los, pois eles o encontrarão à medida que você progride no seu caminho de aprendizado. Mais importante ainda, saiba que você nunca receberá qualquer coisa que você não possa escolher para lidar com sucesso. "- Tom Montalk

"Há sempre um teste espiritual antes de ser capaz de atingir a próxima fase de poder. Cada vez que você tem que fazer progresso, você tem que passar por uma prova. Quando as manifestações divinas ocorrem, elas também têm que passar por grandes dificuldades e sofrimentos como resultado de oposições de forças escuras e anti-divinas que tiveram um domínio sobre a Terra desde a criação.

Esses poderes escuros sempre se opõem às novas Luzes porque não querem desistir de seu domínio sobre a Terra e às vezes sua hostilidade toma a forma de guerra na Terra [criada e iniciada por forças ocultas/hiperdimensionais que trabalham através de seus fantoches humanos], mas apesar de todas as obstruções, a Vontade Divina finalmente manifesta-se." ~ A Mãe, "Obras Completas da Mãe" - Biblioteca Sri Aurobindo

ARMADILHA DA PARANOIA E APEGO ÀS EXPERIÊNCIAS

Eu vejo mais e mais pessoas se tornando conscientes das forças da matrix hiperdimensional e como elas poderiam possivelmente estar interferindo com suas próprias vidas, trabalhando através delas ou através de outros próximos a elas. Isso é encorajador testemunhar, pois a conscientização e a educação sobre esse tema ajudam muitas pessoas a curar e trabalhar através de suas tribulações.

Ao mesmo tempo, eu também vejo pessoas sendo apanhadas em modo de paranoia - ou iniciando o complexo de vítima/culpa.

Muitas vezes, eu também percebo (em algumas pessoas com quem trabalho) que elas realmente não estão lidando com a interferência da entidade, mas com suas próprias projeções de pensamento (baseadas no medo/paranóia) que tomaram uma "vida" própria e tornaram-se "entidades", por assim dizer, mas não estão diretamente relacionadas com as forças hostis ocultas que interagem de um reino diferente.

Às vezes as pessoas também podem ficar muito ligadas às suas experiências e "história" em um nível inconsciente, enquanto ao mesmo tempo querendo curar e seguir em frente (através de um processo de cura consciente). Este apego inconsciente e contradição interior resulta em uma incapacidade de abandonar/render-se e curar completamente, conforme o ego realmente alimenta marginalmente da experiência, fortemente identificado com ele.

Geralmente, há uma "auto-importância" inconsciente ou um sentimento de "ser especial" no jogo aqui em relação a ter essas experiências que definem a própria imagem de si (isto é, quem nós "pensamos" que somos).

Às vezes, também é apenas um fascínio mórbido subjacente com o tema, e uma parte de si mesmo (a "mente predadora") que realmente "gosta" do drama se identifica com este assunto. Essencialmente, ele ainda fornece a frequência que essas forças bloqueiam; entretanto, nada disso é reconhecido pela pessoa num nível consciente, o que mostra como é complicado lidar com essas forças para estabelecer um estado de ser soberano corporificado (pleno com limites energéticos).

Eu vejo o mesmo padrão que ocorre na comunidade periférica/OVNI / alienígena, onde alguns pesquisadores e pessoas que tiveram/têm encontros com forças hostis ocultas (em qualquer forma que eles manifestam, e nomes específicos que lhes damos) estão sendo apanhados em uma visão de túnel/limitada, e tendem a "esquecer" ou perder o ponto de essencialmente transcender as influências ocultas/interferência através do autotrabalho esotérico sincero, incorporação e ancoragem a uma frequência mais elevada.

Embora seja obviamente importante entender o "modus operandi" das entidades hiperdimensionais e educar a nós mesmos (e outros) sobre isso, precisamos ter cuidado para não dar "a eles" mais poder dando-lhes demasiada "atenção". Não é um cenário preto e branco e como sempre, cada situação é diferente. Isso também se relaciona com a Armadilha de ficar preso no buraco de coelho da sobrecarga de informação, que eu tenho endereçado AQUI.

"Consideramos o modus operandi da sugestão telepática em detalhes porque ele constitui a base real de todo tipo de ataque oculto. Seja uma entidade desencarnada, um ser de outra ordem de evolução, um demônio do Abismo, ou simplesmente a alma em pânico de um amigo egoísta, apegando-se à vida da forma, independentemente das consequências, em todos os casos o âmbito de abertura é o mesmo.

Até que a aura seja perfurada, não pode haver entrada para a alma, e a aura é sempre perfurada de dentro pela resposta do medo ou desejo indo para a entidade atacante. Se pudermos inibir essa reação emocional instintiva [a consciência não-reativa de ponto zero, fundamentada no corpo-incorporado/ancoragem da alma], a borda da aura permanecerá impenetrável e será uma defesa tão segura contra a invasão psíquica como a saudável, e a pele intacta é uma defesa contra a infecção bacteriana." - Dion Fortune, "Self-Defense psíquico - o manual de instrução clássico para proteger-se do encontro ao ataque Paranormal"

"É para que elas [as sugestões hostis] devem ser consideradas - sem interesse, com indiferença. Isso elimina a necessidade de luta constante, que é em si uma forma de interesse, e é tão desanimador e mais para essas sugestões. Pensar demais nas Potências hostis é trazer sua atmosfera. É preciso reconhecê-las quando elas vêm e repelí-las, mas pensar muito nelas, temer, esperar ou cuidar delas é um erro [pois as convida].

É melhor não se preocupar com as forças hostis. Mantenha a sua aspiração [ao Dvino, sua presença corporificada do EU SOU] forte e sincera. Se você começar a se preocupar com as forças hostis, você só fará o caminho mais difícil.

A pior coisa para a sadhana (pratica espiritual) é entrar em uma condição mórbida, sempre pensando em "forças inferiores, ataques."

Se a sadhana (a pratica espiritual) parou por um tempo, então deixe-a parar, permaneça quieto, faça coisas normais, descanse quando o repouso seja necessário – espere até que a consciência física esteja pronta.

Minha própria sadhana quando era muito mais avançada , costumava parar por meio ano. Eu não me insurgi sobre isso, mas permaneci em silêncio até o período de vazio ou maçante ter acabado. As forças adversas se aproveitam de qualquer perturbação desse tipo, pois abre, por assim dizer, uma passagem para sua ação.

O medo é a única coisa que nunca se deve sentir diante delas, pois as torna ousadas e agressivas. Além disso, o medo, atrai a coisa temida - deve, portanto, ser jogado fora completamente.

Acontece assim com todos, desde que não haja a realização (siddhi) positiva de transformação pela qual se torne contrária à própria natureza do instrumento responder a essas vibrações - porque elas se tornaram estranhas a ela. Até então tudo depende da vigilância da consciência e da sua vontade. A repetição da resposta não aumenta a dificuldade - só retarda o esvaziamento das forças invasoras." ~ Sri Aurobindo, Cartas Sobre Yoga 

PARTE VII

SINCERIDADE E AUTO HONESTIDADE RADICAL

A parte mais importante no processo de trabalhar para o Despertar é a auto honestidade, sermos sinceros conosco mesmos. Como mencionado no início deste ensaio, mentiras para o eu são os mais prejudiciais e maiores obstáculos no autotrabalho esotérico e também o mais difícil de detectar.

À medida que ganhamos níveis mais elevados de consciência e conscientização, percebemos a responsabilidade que temos, o que "despertar" realmente significa e quão desafiante é realmente a liberdade verdadeira, pois ela implica abandonar o controle (a ilusão /limitação da vontade pessoal), percebendo que não podemos culpar alguém nem nada.

"O perdão é o movimento mais fundamental para a integração da luz e da sombra interior. Sem ele, encalhamos no pântano do juízo e da negação. É o fundamento da jornada xamânica que exige que mergulhemos nas águas da renovação perpétua.

O perdão xamânico instiga uma dinâmica que emprega não só as emoções e o intelecto, mas chega ao próprio manancial do comportamento - o DNA - estabelecendo novos caminhos neurais e alterando o equilíbrio químico dentro do cérebro humano.

Desta forma, o campo eletromagnético, em seguida, mantém um sistema de apoio ressonante para o perdão, criando um diálogo interno de compaixão. Quando perdoamos, abraçamos absolutamente nossa capacidade de resposta dentro da interconexão de toda a criação.

A porta de entrada para o caminho que conduz à transmutação do ciclo vida-morte-renascimento é aberta através do perdão, e é o derramamento da primeira camada de mortalidade, iniciando a jornada da vitimização para a criatividade ". - Juliet Carter

Quanto mais sinceros estivermos neste processo, mais detectaremos as armadilhas em que podemos nos apanhar, e quanto mais predominante torna-se a nossa Voz Interior (Espírito) à medida que cada vez mais "chega" a nós.

Quanto mais sinceros somos neste processo, menos poderemos fingir a nós mesmos - e ao mundo exterior (e aos outros) - ser alguém que "não somos". Essencialmente, se trata de sair do esconderijo, dissolvendo os tampões e máscaras que encobrem o verdadeiro "eu".

"Tenho encontrado ao longo dos anos, trabalhando com pessoas, as que tiveram despertares muito intensos e profundos, e a maioria delas tem medo de ser verdadeira, de ser realmente honesta - não só com os outros, mas com elas mesmas também. Naturalmente, o núcleo deste medo é que a maioria das pessoas sabe intuitivamente que, se elas forem realmente totalmente verdadeiras e totalmente sinceras e honestas, elas não seriam mais capazes de controlar ninguém.

Não podemos controlar alguém com quem temos sido sinceros.
Só podemos controlar as pessoas se dizemos meias verdades, se aparamos o que é verdadeiro.
Quando dizemos a verdade total, nosso interior está exteriorizado. Não há mais nada escondido.

Para a maioria dos seres humanos, expor-se traz um medo incrível. A maioria das pessoas pensa: "Meu Deus, se alguém pudesse olhar dentro de mim, se alguém pudesse ver o que está acontecendo ali, quais são meus medos, quais são minhas dúvidas, quais são minhas verdades, o que eu realmente percebo, ficaria horrorizado ".

A maioria das pessoas está se protegendo. Elas estão segurando um monte de coisas. Elas não estão vivendo vidas honestas, verdadeiras e sinceras, porque se elas fossem fazê-lo, elas não teriam controle. Claro, elas não têm controle de qualquer maneira, mas também não teriam a ilusão do controle.

A maioria das pessoas não sai da infância sem ter muitas experiências de ser ferida por dizer a verdade. Alguém disse: "Você não pode dizer isso", ou "Você não deveria dizer isso", ou "Isso não foi apropriado".

Como resultado, a maioria de nós tem um condicionamento muito profundo que não é bom ser quem somos. Temos sido condicionados a acreditar que há momentos em que é normal ser verdadeiro e honesto, e há momentos em que não é bom ser.

A maioria dos seres humanos realmente tem uma impressão - não só em suas mentes, mas em seus corpos e suas emoções - que se eles são honestos, se eles são reais, algo ruim vai acontecer. Alguém não vai gostar. Eles não serão capazes de controlar o seu ambiente se eles disserem a verdade.

Porém, dizer a verdade é um aspecto do Despertar. Pode não parecer, porque é muito realizável e muito humano. Não é transcendente. Não se trata de consciência pura, trata-se de como a consciência pura se manifesta como um ser humano de uma maneira não fragmentada.

Devemos ser capazes de manifestar o que percebemos, e também temos de nos conscientizar e começar a notar as próprias forças dentro de nós que nos impedem de manifestar veracidade em todas as situações.

Quase todas as vezes que faço uma palestra como essa em público, alguém vem até mim mais tarde e diz: "Você sabe aquela conversa que você deu sobre veracidade e honestidade e tudo isso?" - E eu, "Sim, eu lembro da conversa."

E vão dizer: "Bem, alguém apareceu no estacionamento mais tarde e decidiu que precisava me contar todas as coisas podres que pensava sobre mim, em nome da honestidade.” E eu meio que balanço minha cabeça. Eu hesito até dar palestras sobre esse assunto, porque é tão fácil de entender mal.

A verdade é um padrão muito alto. A verdade não é um brinquedo. Dizer o que é verdadeiro dentro de nós mesmos não é dizer o que pensamos; não é dizer a nossa opinião. Não é para despejar a lata de lixo de nossa mente para outra pessoa. Tudo isso é ilusão, distorção, projeção.

A verdade não é descarregar nossas opiniões sobre alguém. Isso não é verdade. A verdade não é dizer nossas crenças sobre as coisas. Isso não é verdade. Essas são maneiras que nós realmente nos escondemos da verdade.

A verdade é muito mais íntima do que isso. Quando dizemos a verdade, ela tem o sentido de uma confissão. Eu não dou significado a uma confissão de algo mau ou errado, mas eu expresso o senso de onde nós ficamos completamente fora do esconderijo.

A verdade é uma coisa simples.
Falar a verdade é falar de um sentido de vulnerabilidade total e absoluta.

Para dizer a verdade com alguma consistência, não só temos de encontrar cada lugar em nós mesmos que tem medo de dizer a verdade, também temos que ver a estrutura de crenças que temos que nos diz: "Eu não posso fazer isso."

Essas estruturas de crença são por sua própria natureza baseadas na irrealidade. Saber isso não é suficiente; você tem que realmente vê-las, para realmente perceber exatamente no que você acredita.

Quais são as estruturas de crenças exatas que fazem com que você entre na Dualidade, ocasionando você entrar em conflito e se esconder? Só então você pode dizer a verdade da maneira que estou discutindo aqui.

Liberdade é a percepção de que tudo e todos conseguem ser exatamente como são.

A menos que tenhamos chegado a esse ponto, que isso é como ver a realidade das coisas, então estamos realmente retendo a liberdade do mundo. Estamos vendo isso como uma possessão, e estamos apenas preocupados com nós mesmos. - Como posso me sentir bem? Como posso me sentir livre?

A verdadeira liberdade é um presente para tudo e para todos. O importante é permitir que o mundo todo Desperte. Parte de permitir que o mundo inteiro Desperte é reconhecer que o mundo inteiro é livre – todos são livres para ser como eles são.

Até que o mundo inteiro esteja livre para concordar com você ou discordar de você, até que você tenha dado a liberdade para que todos gostem ou não gostem de você, amá-lo ou odiá-lo, ver as coisas como você vê ou ver as coisas de forma diferente, até que você tenha dado ao mundo inteiro a sua liberdade - você nunca terá a sua liberdade.

Esta é uma parte importante do Despertar, e é uma parte fácil de perder.

Mais uma vez, se estivéssemos totalmente Despertos, seria impossível perder isso, mas a maioria das pessoas não Desperta totalmente de uma só vez.

A ideia de liberdade é muito importante, no entanto. Todos conseguem ser como são. Somente quando se permite que todos sejam como são - quando você lhes deu essa liberdade, a liberdade que já possuem -, você encontra dentro de si a capacidade de ser honesto, autêntico e verdadeiro.

Não podemos ser verdade enquanto aguardamos que outros concordem conosco. Isso nos fará contrair – “talvez eles não gostem do que eu digo; talvez eles não concordem; talvez eles não gostem de mim”.

Quando estamos nos protegendo, também estamos privando a liberdade de todos os outros.

Quando percebemos que somos o único Espírito que se manifesta como tudo e todos, na própria natureza dessa realização está a liberdade total para todos. Há um certo destemor nesta realização.

As pessoas às vezes vêm a mim e dizem: "Bem, Adya, ainda há algum lugar interior" - e, eu acho, que está muitas vezes num lugar na infância - "tenho medo de ser o que eu sei que é verdade".

Claro, eu vou dizer: "Você tem que olhar para ela, para ver você mesmo, como formou certas estruturas de crença com base no que aconteceu no passado. Você tem que olhar para ela e ver se essas estruturas de crença são verdadeiras.

"Mas também, precisamos reconhecer que não temos maneira de saber ou prever como o mundo vai nos receber. Parte de estar Desperto é estar disposto a ser crucificado. Se pensarmos que estar Desperto significa que o mundo inteiro concordará conosco, então estamos em uma ilusão total. Dentro da consciência humana há um tabu profundo que diz que não é certo perceber a verdade do ser.

Eu não estou falando de fazer a pregação, necessariamente; eu estou falando sobre ser apenas o que você percebe. Este tabu diz: "Isso não está bem. Você será crucificado por isso; você será morto por isso."

"Naturalmente, em nossa história humana, as pessoas foram mortas por isso. Temos uma longa história em muitas sociedades de se livrar ou matar seres verdadeiramente iluminados, porque a verdadeira iluminação não está de acordo com o “estado de sonho/adormecimento”.

De fato, muitas vezes o estado adormecido se sente ofendido e ameaçado pela verdadeira iluminação, porque um ser verdadeiramente iluminado não pode ser controlado. Mesmo a ameaça da morte não pode controlar um ser iluminado. Assim, como um ser humano, não podemos ter essas ideias infantis que a iluminação significa "todo mundo me ama". Talvez todo mundo vai amar você, mas mais provável que alguns vão e outros não.

Mas quando você dá ao mundo inteiro a sua liberdade, então você faz um longo caminho para encontrar a sua própria liberdade. Estão ligados indissociavelmente, um para o outro.

A coisa mais importante não é que você tente convencer alguém da verdade que você vê.
O que é realmente importante é que você seja verdadeiro com você mesmo.
Se você pode ser sincero consigo mesmo, então você pode ser sincero com qualquer um.

Não há utilidade real em se tornar excessivamente focado em ser verdadeiro com todos os outros. Embora isso seja necessário, o lugar para começar é com você mesmo - você pode ser totalmente sincero consigo mesmo?

Você pode ir para aquele lugar que está além da culpa, além do julgamento, além deveria e não deveria?

Você pode ir para aquele lugar que é tão sincero que você não vai se afastar de qualquer parte de si mesmo que ainda está em conflito; você não usará a percepção da verdade para se esconder de algo que sente menor que colocar-se em liberdade?

É realmente uma questão de sinceridade. Como eu disse, este não é um programa de autoaperfeiçoamento. Uma vez que você descobre o nível de sinceridade e honestidade que estou descrevendo, você descobre que sinceridade e honestidade são manifestações da natureza absoluta do ser.

Ser sincero consigo mesmo pode não ser fácil, inicialmente. Você pode ver coisas sobre si mesmo que você não quer ver. Você pode ver as partes de si mesmo que estão em contraste aparentemente forte com tudo o que você percebeu. No entanto, é aqui que o Despertar se move/avança; o Despertar se move em direção àquilo que não está acordado.

A sinceridade é o que permite que esse movimento aconteça, e acontece se você é autêntico consigo mesmo.

Sair completamente fora do esconderijo, estando disposto a ver cada ponto de fixação, cada maneira que você entra na divisão/fragmentação/separação, permite que esta parte da jornada continue.

Quando isso acontece, você sente seu coração abrindo, sua mente abrindo; você sente abrindo-se em níveis que nunca imaginou possível. Esses níveis não são apenas transcendentes da Humanidade, mas também dentro da sua humanidade, porque não há separação entre seu ser humano e seu ser divino.

Sinceridade é a chave.

Você tem que estar disposto; você tem que querer ver tudo.
Quando você quiser ver tudo, você verá tudo.

Muitos estudantes que recebo têm a ideia inconsciente de que a iluminação significa que alguém deve ser capaz de sentir felicidade total, beatitude total e total liberdade em qualquer situação. Esta é uma das crenças inconscientes que muitas pessoas têm sobre o Despertar, e é outra percepção errada.

Se você acredita na percepção equivocada de que a Iluminação é apenas sobre felicidade, bem-aventurança e liberdade, você será motivado a transcender ou escapar dessas áreas da sua vida que sinta menos do que totalmente funcional/viável.

Mas, mais cedo ou mais tarde, à medida que nos tornamos mais Despertos, descobrimos que há cada vez mais pressão para encontrar e lidar com as áreas de nossas vidas que temos evitado, em que somos menos do que plenamente conscientes.

Eu descobri que muitas pessoas ficam muito assustadas quando começam a perceber onde todo esse movimento de Despertar está movendo-as, que está levando-as para uma área onde elas serão convocadas a serem excepcionalmente honestas e reais e que saem completamente fora do esconderijo.

Isto é contrário à ideia do Despertar ser simplesmente uma transcendência da vida, a descoberta de um refúgio seguro em alguma experiência interior onde não temos de lidar com a vida como ela é.

O DESPERTAR É, DE FATO, exatamente o oposto: É UM ESTADO DE SER NO QUAL ENCONTRAMOS A CAPACIDADE DE LIDAR COM NOSSAS VIDAS COMO ELAS REALMENTE SÃO.

Mas como eu disse, muitas pessoas têm medo dessa parte do processo, porque exige que saiamos do esconderijo em cada nível (todos). " ~ Adyashanti, O Fim do seu Mundo

Sair do esconderijo - e ser sincero consigo mesmo - pode ser particularmente desafiador para as pessoas que predominantemente VIVEM EM SUAS MENTES (presas no ASPECTO MASCULINO DA CONSCIÊNCIA).

Esta personalidade possui um intelecto forte que tem a capacidade de racionalizar e autojustificar tudo (incluindo a elaboração de uma personalidade exterior inteligente), especialmente em relação às mentiras decorrentes da personalidade falsa - também

TEM UMA TENDÊNCIA A FICAR PRESA NA ANÁLISE - PARALISIA , SENDO INCAPAZ DE RECONHECER QUALQUER COISA "ACIMA / ALÉM" DE SI MESMA, ou seja, a inteligência superior do Divino e Espírito.

Presas em laços dominantes do pensamento e na mente racional, a Porta para o Divino é, portanto, fechada - elas são reduzidas/desunidas/ fragmentadas para dentro da prisão da “mente do macaco”.

O mecanismo subjacente por trás desse comportamento é, na verdade, o medo inconsciente, decorrente da identificação do ego.

Medo da perda de controle. Medo de entrega ao fluxo da vida/Tao (com o resultante medo ilusório do caos) que é baseado no medo da Natureza (O ASPECTO FEMININO DA CONSCIÊNCIA) e, essencialmente, o medo do Amor verdadeiro e da Liberdade.

Também se liga ao medo de ser "insignificante", medo de não ser "forte" (medo de parecer como "fraco"), medo de "não saber" ( essencialmente "do desconhecido") e medo de como os outros nos percebem se nos abrimos para expressões mais profundas e autênticas de humildade e vulnerabilidade.

"UM HÁBITO PERIGOSO ESTÁ NUMA AUTOJUSTIFICAÇÃO CONSTANTE.

Quando isto se torna forte no buscador, é impossível transformá-lo nesta parte do ser para a consciência e ação corretas, porque a cada passo sua preocupação é justificar-se. Sua mente se apressa imediatamente para manter sua própria ideia, sua própria posição ou seu próprio curso de ação.

Ele está pronto para criar qualquer tipo de argumento, às vezes o mais desajeitado e tolo ou inconsistente com o que contestou momento antes [mas não óbvio para ele], por qualquer tipo de declaração ou qualquer tipo de mecanismo.

Este é um mau uso comum, mas não inferior a um mau uso da mente pensante; porém, leva-lhe proporções exageradas e enquanto ele se mantiver a ela, será impossível para ver ou viver a Verdade." ~ Sri Aurobindo, O Yoga Integral"

"Se o homem não aceitar sua situação e, em particular, o seu Interior, como lhe parece, graças a breves iluminações da consciência do verdadeiro "eu" - se ele for obstinado contra toda evidência, justificando sua Personalidade protegendo-se por trás da lógica, da legitimidade e da justiça, ele então virará as costas à vereda Do Acesso, e empurrou-se ainda mais no deserto.

Ninguém pode alcançar a vereda do Acesso ao Caminho [da união com o Divino], sem antes passar por uma falência interior; um colapso moral [desilusão/desencantamento]. " - Boris Mouravieff, Gnosis

PARTE VIII - FINAL

A VIDA COMO UM CATALISADOR E PROFESSOR

Para aqueles de nós que continuam trabalhando em nós mesmos com sinceridade e autohonestidade radical - enfrentando as mentiras que temos dito a nós mesmos (provenientes da mente /personalidade e condicionamento social /cultural, aumentadas por injeções de pensamento das forças hostis ocultas), percebendo a futilidade da "vontade pessoal", etc. - e, como resultado, tivemos vislumbres de nossa Verdadeira Natureza e Direito De Nascimento que está escondido atrás de quem "pensamos" que somos, os dons começam a revelar-se de maneiras estranhamente maravilhosas.

Começamos a ver, sentir e alinhar cada vez mais o Fluxo Natural Da Vida (Vontade Divina) que é "mais simples" do que "pensamos" que é.

Como Adyashanti disse: "Este tipo de Fluxo está sempre disponível para nós, mas a maioria de nós está muito perdida nas complexidades do pensamento para sentir que Há Um Fluxo Simples e Natural Para A Vida. Mas debaixo da agitação do pensamento e da emoção, e debaixo do apego da vontade pessoal, há realmente um Fluxo. Há um simples movimento da vida."

Como resultado, também começamos a simplificar nossas vidas e diminuir a velocidade.

Não mais guiados pela ambição (com os efeitos colaterais da competição/comparação), os anseios condicionados/vitais, a necessidade de "tornar-se", e externamente à procura de amor e felicidade, nos entregamos ao simples movimento da Vida. A ação compartimentada, a vontade plena e a reatividade são substituídas por uma Chamada e Resposta concretizada à própria Vida.

Ao mesmo tempo, não evitamos a vida, nem nos vemos como melhores /piores do que qualquer outra pessoa. Reconhecemos (em um nível incorporado) a unidade e inter-relação de tudo o que existe. Não é um estado de constante "felicidade" e "temor", mas sim um estado sóbrio e fundamentado do ser, abraçando completamente a vida, o que quer que venha.

Também reconhecemos que a vida em si é o nosso maior professor e catalisador para o Despertar. Já não projetando mecanicamente/externamente nossa fragmentação interior, percebemos a função do ensino de tudo em nossa vida cotidiana.

Nós não usamos a "espiritualidade" para evitar a vida, nem buscamos "experiências de pico" - nós nos dedicamos à vida cotidiana mais plenamente no momento presente, pois essa é a verdadeira experiência do "auge/pico" - quando estamos totalmente sintonizados - na Vida em um nível incorporado.

Não precisamos "mais" do que isso. Começamos a confiar cada vez mais na vida (e, como resultado, confiamos em nós cada vez mais), não porque esperamos que a vida ou o espírito nos deem algo que "queremos", mas porque sabemos que a vida (como o movimento do Divino) está apoiando e nos ajudando a nos lembrar de nós mesmos, auxiliando no nosso processo de Despertar.

Nós instintivamente compreendemos que a Vida e o Espírito nos guiarão essencialmente para o que realmente "queremos" e precisamos (incluindo as lições que precisamos aprender) de uma perspectiva de alma, não baseada nos caprichos do ego, nos direitos e nos desejos condicionados.

De maneira interessante, esta Rendição (e deixando ir a aparência) é a parte mais difícil para a maioria das pessoas aceitar, pois elas não gostam de ouvir que o controle é uma ilusão, que na maioria das vezes, equivale a renunciar à vontade pessoal como "derrota" ou "fracasso", e temem que sem tomar "controle" de suas vidas, não encontrarão felicidade, satisfação, prosperidade, etc., ou irão introduzir caos total fazendo assim, tudo o que é a programação da Matrix está para manter a humanidade presa nesta frequência de sobrevivência do medo. Mas nada poderia estar mais longe da verdade.

O processo de Rendição/libertação (em alinhamento com a jornada de Despertar /incorporação) leva-nos finalmente à verdadeira alegria, amor, contentamento, relações satisfatórias; abre caminho para a nossa missão, nosso propósito e vocação na vida, assim como a Abundância que não pode ser medida em termos materialistas (no entanto, isso não significa que você tem que ser "pobre" nem rejeitar completamente o materialismo para ser "Espiritual", que é outro equívoco da espiritualidade.

Mas também requer fé e confiança, sair da sua zona de conforto e abraçando o desconhecido e imprevisível. Os "contra-argumentos" desse processo são as vozes do ego ou da mente predadora (forças ocultas), reforçadas pelo culto matricial que adora a personalidade sobre a Essência. O ego não gosta de desistir de seu reinado (e não desiste facilmente), pois significaria o fim do seu domínio.

Essas injeções de pensamento não derivam do verdadeiro "eu" / do "eu" real. Sabemos então que quaisquer dificuldades e situações desafiadoras que possam surgir são oportunidades para um Despertar mais profundo, resultando na maioria das vezes em "choques" que são necessários para agitar-nos para fora e arrancar-nos da Ilusão.

Apesar destes momentos de "ferocidade da Graça", também experimentamos mais e mais bela equanimidade e momentos de felicidade, bem-aventurança e alegria que não dependem de quaisquer fatores externos.

Nós nos tornamos menos receosos do desconforto e do desconhecido, percebendo em um nível mais profundo que a vida não é sobre "ganhar" ou "perder", mas tudo o que há são lições, e que estamos sendo guiados e ajudados a cada momento se podemos sintonizar com a nossa própria magnificência.

Consequentemente, estamos cada vez mais em contato com nossa intuição, nossa Guiança interna, conectada ao espírito interior (e essencialmente, com a Vontade Divina), todos os quais são expressos exclusivamente através de nós como indivíduos incorporados e integrados à Alma Suprema.

A vida torna-se então com menos esforço, porque nós não tentamos lutar contra a Corrente Da Vida (Tao), mas Confiar que o Rio Da Vida carrega-nos onde nós necessitamos estar e entrega-nos o que precisamos experimentar, com base em nossas lições e talentos únicos da alma.

"Enquanto medimos nosso próprio sucesso em termos de conforto pessoal e segurança, o "universo" mede nosso sucesso pelo quanto aprendemos.

Enquanto usarmos conforto e segurança como nossos critérios para o sucesso, teremos medo de nossa própria orientação intuitiva, por isso, e por sua própria natureza nos direciona para novos ciclos de aprendizagem que às vezes são desconfortáveis.

Ao desenvolver sua habilidade na sua própria vida, você deve confiar em suas respostas interiores - um acontecimento que eu não posso enfatizar o suficiente." - Caroline Myss

Sob o ponto de vista de um cenário mais amplo, é assim que transcendemos a Matrix, embora ainda vivamos neste mundo, já que não estamos em outro lugar fisicamente, mas começamos a experimentar a "realidade" e a vida em um nível completamente diferente: "Estar neste mundo, mas não pertencer a ele".

No entanto, está longe de ser algo próximo de ser "escapista", porque não há negação da "escuridão", de fato, há a "visão" mais profunda e compreensão do "mal", além da sua manifestação na 3D, e seu papel dentro da Dualidade da experiência 3D, vista à luz da consciência evolucionária com todas as "diferentes faces de Deus".

Mas nenhuma palavra ou "argumento" pode convencer essa pessoa, e não há nenhuma necessidade ou pressão para fazer isso de qualquer maneira, já que todo mundo tem que perceber em si, uma realização interna, pois está além da linguagem e das palavras.

Ninguém pode mostrá-lo para nós ou trazê-lo para nós.

Ninguém nos "livra", nenhum líder, nenhum salvador, nenhuma autoridade, até que respondamos ao Chamado Da Voz Divina Interior, oculta por trás das construções ilusórias da identificação da personalidade.

É um estado superior de ser, uma experiência encarnada que a mente e o intelecto não podem chegar perto de compreender.

Os diferentes estados de realidade-experiência que se manifestam dentro (e entre) os seres humanos durante este tempo de Transição também estão se tornando cada vez mais aparentes e relacionam-se com a Linha do Tempo - Realidade Difundida (explorada em um ensaio anterior), pois algumas pessoas reforçam e caem mais profundamente em um “estado de sonho” (enquanto sonhando estar acordado, confundindo a realidade com a ilusão e a ilusão com a realidade), ficando presas na Matrix com todas as "armadilhas do acordo" estabelecidas pelas forças ocultas.

Enquanto isso, outros começam a Despertar cada vez mais (e corajosamente) sua verdadeira natureza, tornando-se transdutores conscientes da Vontade Divina como Âncoras de frequência dentro do desdobramento do "plano cósmico".

Também não há julgamento sobre essas jornadas diferentes, porque a "divisão" de uma perspectiva mais elevada também reflete o equilíbrio cósmico e a vasta diferença nas lições de alma para cada ser humano a incorporar neste momento e época.

Essencialmente, cada ser humano está destinado para Despertar, cada um em seu próprio "tempo" e próprio caminho (e ao longo das vidas) enquanto nós eliminamos o drama/comédia cósmica.

No entanto, estamos longe de experimentar qualquer noção de um Despertar "coletivo" em qualquer "futuro" próximo. Então, embarque no caminho, atente para as armadilhas, não tenha medo da escuridão, e mais importante, aproveite o passeio.

A única saída é através, e há luz no final do túnel ... na verdade, o túnel é feito de Luz própria.

"Esta não é uma viagem sobre se tornar algo. Isso é impróprio para quem somos, sobre nos enganar. E assim um dos passos mais importantes é entrar em acordo com a sua vida para que você não seja afastado de você mesmo de forma alguma.

E o surpreendente é que quando não estamos mais nos afastando de nós mesmos, encontramos uma grande quantidade de energia, uma grande capacidade de clareza e sabedoria, e começamos a ver tudo o que precisamos ver." - Adyashanti, O Fim do Seu Mundo

Por favor, respeite os créditos ao compartilhar
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO - http://www.decoracaoacoracao.blog.br
DE CORAÇÃO A CORAÇÃO - https://lecocq.wordpress.com
https://veilofreality.com/2017/01/29/the-perilous-path-towards-awakening/
Tradução Vilma Capuano - vilmacapuano@yahoo.com.br
Grata Vilma!

LUZ!
STELA






Print Friendly and PDF

Um comentário: